Papa Francisco convida fiéis para rezar pela Igreja sinodal


No Vídeo do Papa para o mês de outubro, Francisco convida a todos os fiéis para rezar pela Igreja sinodal. A intenção de oração chega em um ponto de virada no percurso sinodal que começou em 2021 e terminará em 2023. Após a etapa inicial em que as Igrejas particulares, as Conferências Episcopais e outras realidades eclesiais refletiram sobre o Documento Preparatório enviado por Roma, é inaugurada a etapa continental. A ênfase dessa etapa é a escuta, o discernimento e o diálogo a nível regional, com base nas contribuições feitas pelas Igrejas particulares.

O Santo Padre sublinha a necessidade de uma Igreja próxima e aberta. “Rezemos para que a Igreja, fiel ao Evangelho e corajosa no seu anúncio, viva cada vez mais a sinodalidade e seja um lugar de solidariedade, fraternidade e acolhimento”.

Com o apoio da Secretaria-Geral do Sínodo dos Bispos, esta edição do Vídeo do Papa reforça que para a Igreja o Sínodo “não é uma pesquisa”. Não se trata de recolher opiniões, nem de fazer um parlamento, mas promover a escuta na diversidade e, sobretudo, ouvir o protagonista, que é o Espírito Santo. “Fazer um sínodo é aprender a ouvir uns aos outros, a falar uns com os outros – mesmo com aqueles que estão fora, nas margens – a fim de procurar a “proximidade, que é o estilo de Deus”.

Fazer um sínodo: a Igreja do terceiro milênio

Para o Papa Francisco, caminhar juntos na mesma direção é o que Deus espera da Igreja do terceiro milênio. Que ela recupere a consciência de que é um povo em caminho e que deve fazê-lo junto.

É neste espírito que o Sínodo 2021-2023, “Por uma Igreja Sinodal: comunhão, participação e missão”, começou há um ano, e este mês marca o início da sua segunda etapa. É um processo constante de escuta e discernimento em todo o mundo. Agora, na etapa continental, com base no trabalho de escuta realizado pelas Igrejas particulares e no discernimento dos Pastores nas Conferências Episcopais, a Secretaria-Geral do Sínodo está preparando um Documento de Discernimento do Povo de Deus, após cuidadosa reflexão sobre os frutos da etapa anterior.

O Secretário-Geral do Sínodo dos Bispos, Cardeal Mario Grech, comentou sobre o processo sinodal, destacando que a resposta do Povo de Deus na primeira etapa do processo sinodal foi extraordinária, sem precedentes na história. “Todas as Conferências Episcopais enviaram a sua contribuição, o que nunca tinha acontecido antes e mostra claramente como funciona o Espírito. Hoje em dia, muitos que professam a fé perguntam a si próprios como continuar o percurso que iniciaram. Para além das atividades implementadas localmente ou a nível de cada continente, convido todos a contribuírem com a oração pessoal e comunitária para apoiar aqueles que serão chamados ao exercício de escuta e discernimento nas próximas assembleias continentais”.

Deve-se entender, a partir disso, que o processo atual não termina com a etapa diocesana, nem com a etapa continental, nem com a celebração da Assembleia do Sínodo dos Bispos; são acontecimentos que se integram no dinamismo contínuo e único da conversão sinodal da Igreja. E nesta escuta mútua – como o Santo Padre explicou na Comemoração do 50º Aniversário da instituição do Sínodo dos Bispos – “todos têm algo a aprender. Povo fiel, Colégio Episcopal, Bispo de Roma: um à escuta dos outros; e todos à escuta do Espírito Santo”.

Abrir as portas: “Sem oração, não haverá Sínodo”

O diretor internacional da Rede Mundial de Oração do Papa, Pe. Frédéric Fornos, SJ, acrescentou que o Papa Francisco iniciou um ciclo de catequeses sobre o discernimento.

“Para que o percurso sinodal em curso seja um verdadeiro processo espiritual, requer-se escuta, diálogo, oração e discernimento. Não há discernimento sem oração. Sem oração podemos compartilhar belas reflexões e experiências, mas é difícil estar atento ao Espírito Santo, o ator principal do Sínodo. Recordemos então, como diz Francisco, pois ‘sem oração, não haverá Sínodo’”.

Fonte: Rede Mundial de Oração do Papa