El Salvador reabrirá caso do “massacre dos jesuítas”


Getty Images

A Suprema Corte de El Salvador ordenou na última quarta-feira (5/01), que o processo penal do massacre de seis padres jesuítas e duas mulheres em 1989, seja reaberto após a admissão de amparo interposto pelo procurador-geral Rodolfo Delgado.

Em entrevista  à Agência EFE, o Pe. Andreu Oliva, SJ, afirmou que a reabertura do processo representa um “importante avanço na luta pela justiça em El Salvador”.

O Tribunal Constitucional também deu 10 dias para a Câmara Criminal modificar a resolução de 2020 na qual encerrou o caso, alegando que o direito das vítimas de acesso à justiça foi violado.

“Saudamos a decisão porque atende a uma demanda de justiça e verdade tanto da Companhia de Jesus quanto da Universidade Centro-Americana (UCA) e das famílias das vítimas”, disse Oliva, que atualmente também é reitor desta instituição, em cujo campus o massacre ocorreu na madrugada do dia 16 de novembro de 1989, quando soldados de elite do Batalhão de Infantaria de Reação Imediata Atlacatl entraram no campus da UCA e mataram seis religiosos e duas mulheres.

As oito vítimas do massacre foram Ignacio Ellacuría, SJ, Ignacio Martín-Baró, SJ,  Segundo Montes, SJ, Juan Ramón Moreno,SJ, Joaquín López y López, SJ, Amando López,SJ, Elba Ramos e sua filha Celina Ramos, de 16 anos.

AVANÇO NA LUTA PELA VERDADE E JUSTIÇA

Em 2020, a Câmara Criminal do Supremo Tribunal Federal ordenou o encerramento do processo penal e também ordenou a suspensão da investigação contra os homens identificados como os mentores do massacre. Diante da decisão, que representou um golpe para as famílias e para a  Companhia de Jesus, o procurador-geral da República, Rodolfo Delgado, apresentou em novembro de 2021 um recurso na Sala Constitucional para que essa resolução fosse revista.

De acordo com o Pe. Oliva, encerrar o caso significava ir contra a lei salvadorenha e contra o direito à verdade e à justiça do povo salvadorenho e das vítimas de graves violações dos direitos humanos”

E com a decisão do Tribunal Constitucional de reabrir o processo “justifica aquilo que sempre defendemos, que se devia conhecer a verdade e aplicar justiça neste caso e em todos os casos que ocorreram em Salvador, especialmente os cometidos durante o conflito armado e que continuam impunes ”

“Creio que é um importante avanço na luta pela verdade e justiça por parte de todos nós que somos contra a impunidade e que acreditamos que a verdade e a justiça são fundamentais para construir um futuro de paz no país”, sublinhou. 

Ele observou que é uma boa oportunidade para o Ministério Público investigar e comprovar “a participação daqueles que são identificados no caso como perpetradores”

Os possíveis autores intelectuais dos assassinatos são o ex-presidente Alfredo Cristiani, os generais Humberto Larios, Juan Bustillo, Francisco Fuentes e Rafael Zepeda, o falecido René Emilio Ponce e o coronel Inocente Montano, condenados na Espanha. 

O padre jesuíta garantiu que “muito do trabalho (investigativo) está avançado porque uma investigação sobre o caso já foi realizada no Tribunal Nacional Espanhol”

O Tribunal Nacional Espanhol condenou o ex-coronel Inocente Montano a 133 anos de prisão em setembro de 2020 por ser responsável por planejar e ordenar, juntamente com a liderança militar e o então presidente Cristiani, os assassinatos dos cinco jesuítas espanhóis.

O PAPEL DA FISCALIZAÇÃO

“Obviamente vamos estar atentos para que o processo se desenrole de acordo com o que estabelece a normativa salvadorenha e os códigos procedimentais instituídos e que se faça bem (…) não faria sentido para nós se fosse esse o caso foram usados ​​politicamente “, disse ele. 

Pe. Oliva sublinhou que espera que “seja realmente um caso que responde aos princípios da justiça e que, ao mesmo tempo, não seja o único caso abordado em El Salvador de graves violações dos direitos humanos, crimes de guerra e crimes contra a humanidade”.

MENSAGEM SEM MAIS IMPUNIDADE 

Para o jesuíta “se realmente está determinado quem são os que organizaram e decidiram o massacre na Universidade e são condenados de acordo com nossas leis, a mensagem que estaria sendo dada é que não há mais impunidade em El Salvador e que os crimes contra a humanidade e a guerra podem ser julgados ”.

Fonte: Agência EFE
Foto: Getty Images