Espaço Imaculada: Colégio dos Jesuítas inaugura novo edifício

O edifício será o ambiente de aprendizado dos estudantes do Maternal III ao 2º ano do Ensino Fundamental

O Imaculada, novo espaço do Colégio dos Jesuítas, em Juiz de Fora (MG), foi inaugurado no dia 20 de novembro. O edifício será o ambiente de aprendizado dos estudantes do Maternal III ao 2º ano do Ensino Fundamental. Com espaços inovadores, que revolucionam o conceito de sala de aula e junto a uma área de Mata Atlântica, no Centro da cidade, a construção representa o compromisso da instituição de renovar-se para manter a sua tradição de excelência acadêmica.  

Diversas autoridades participaram presencialmente da solenidade de inauguração, que seguiu os devidos protocolos de segurança. Entre os representantes da Companhia de Jesus no Brasil, estiveram presentes o Provincial dos Jesuítas no Brasil, Pe. Mieczyslaw Smyda, SJ, e o Secretário para Educação dos Jesuítas no Brasil e reitor nomeado da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), Pe. Sérgio Eduardo Mariucci, SJ. O Arcebispo Metropolitano de Juiz de Fora, Dom Gil Antônio Moreira, também esteve no evento, que contou ainda com a prefeita de Juiz de Fora, Margarida Salomão, a secretária de Educação, Nádia Ribas, além da Equipe Diretiva e colaboradores do Colégio dos Jesuítas, entre outros convidados.

Em seu discurso, o Diretor Geral do Colégio dos Jesuítas, Prof. Edelves Rosa Luna, expressou sua gratidão à Companhia de Jesus, na pessoa do Pe. Smyda, por presentear Juiz de Fora e região com o Espaço Imaculada e aproveitou a oportunidade para destacar o empenho de todos que trabalham na instituição. “É assim, com dedicação diária à excelência formativa, que o Colégio dos Jesuítas acolhe diariamente às crianças e aos jovens que a nós foram confiados. Cuidado para buscar o nosso Magis, para a boa formação nos números e nas letras, mas, sobretudo, para a construção do caráter, de um espírito de coletividade republicana, que promova o crescimento pessoal e do nosso país.”

A prefeita do município, Margarida Salomão, afirmou que o Colégio é uma “potência educacional na cidade e região” e destacou o papel dos jesuítas na proteção das populações nativas, como quando da proibição da educação bilíngue em português e tupi no século XVIII: “Como o Marquês de Pombal proibiu que se fizesse a educação bilíngue, os jesuítas, que corajosamente enfrentaram essa posição, foram expulsos do Brasil em 1759 e retornaram depois, para continuar sua importante missão educacional.”

Em sua fala, o Pe. Sérgio Eduardo Mariucci, SJ, destacou que à medida que as crianças conviverem no novo prédio, compreenderão que os locais habitados por nós devem estar integrados à natureza e serem sustentáveis. “Nesse sentido, esse prédio dialoga com o Pacto Educativo Global, que o Papa Francisco propôs, com a (encíclica papal) Laudato si’ e, também, com o nosso Projeto Educativo Comum”, afirmou.

Na avaliação do Arcebispo Metropolitano de Juiz de Fora, Dom Gil Antônio Moreira, o Espaço Imaculada traz consigo uma representatividade “inestimável”, o cuidado com a criança. “É algo que vem de Deus e representa a maior atividade da humanidade atualmente. As crianças de hoje são os adultos de amanhã. E, se nós erramos na educação das crianças, se nos descuidamos de qualquer aspecto, nós comprometemos o futuro.”

Por fim, o Provincial dos Jesuítas do Brasil, Pe. Mieczyslaw Smyda, SJ, afirmou que o Espaço Imaculada é um “sinal” para toda a Rede Jesuíta de Educação (RJE). “Queremos ir em direção da integração daquilo que o nosso Papa nos interpela e o próprio planeta nos demanda: integração com a Casa Comum, que é o mundo que Deus nos deu. Não podemos o destruir, mas integrar, harmonizar. Para nos tornarmos cidadãos como irmãos neste mesmo mundo.” Em sua fala, Pe. Smyda, também destacou o Imaculada como um instrumento para a realização do Projeto Educativo Comum (PEC) da RJE, atualizado neste ano e que norteará as ações pedagógicas até 2025.

Fachada com tecnologia nova no Brasil  

O projeto arquitetônico do Imaculada foi planejado de forma a garantir a presença de áreas de convivência entre as pessoas. Um parquinho foi montado no terraço, já que o brincar é considerado elemento importante para a aprendizagem, de acordo com a Proposta Pedagógica do Espaço.  

No lugar das salas de aula, foram construídos verdadeiros espaços de aprendizagem. Esses ambientes flexíveis são amplos e arejados por grandes janelas e comunicam-se por meio de transparências, criando uma relação de pertencimento com todo o espaço. O Imaculada contará, ainda, com mecanismos avançados de segurança, como videomonitoramento, aparato anti-incêndio e sistemas de alarme automático e de controle de acesso ao edifício. 

Os brises-soleils (dispositivo arquitetônico utilizado para impedir a incidência direta de radiação solar nos interiores de um edifício) da fachada foram produzidos em UHPC, Concreto de Ultra Alta Performance, um material que apresenta resistência maior que o concreto comum. O Espaço Imaculada é um dos poucos edifícios do Brasil a contar com brises neste tipo de material, que possibilita a criação de peças gigantes e com aberturas. O restante da fachada foi montado em peças coloridas de Light Steel Frame, produto em aço galvanizado que oferece isolamento acústico e térmico ao interior da construção. Esta tecnologia também é autolimpante, uma vez que a água da chuva é suficiente para fazer a limpeza.   

O projeto conta com alto grau de industrialização. Partes do edifício foram produzidas externamente em fábricas especializadas e, posteriormente, montadas em Juiz de Fora. Desta forma, foi possível realizar uma obra complexa em um período de sete meses, aproximadamente.