Jesuíta premiado por denunciar intolerância e fundamentalismo na Índia


“A violência social contra cristãos e muçulmanos na Índia é preocupante e deve ser combatida. O governo federal não fez o suficiente para interromper a incitação ao ódio contra os cristãos e outras minorias”. Foi o que declarou à Agência Fides o Pe. Cedric Prakash, sacerdote jesuíta indiano, jornalista, divulgador e escritor, que acaba de ser designado com um prêmio que lhe foi atribuído pela Indian Catholic Press Association (ICPA).

Em 1º de dezembro, a Associação entregará a ele o prestigioso Prêmio Louis Careno de Excelência em Jornalismo, em agradecimento por seus ousados escritos ​​contra a violência intercomunitária e o fundamentalismo, que estão ganhando terreno no subcontinente indiano.

Pe. Prakash, fundador e ex-diretor de Prashant – um centro cultural, com sede em Ahmedabad, que trabalha na conscientização sobre questões relacionadas aos direitos humanos, justiça e paz – “em seus escritos incisivos e estimulantes sobre vários temas sociais, políticos e religiosos, abriu novos caminhos. Sua análise incisiva de questões socioculturais e políticas, gerou profundos debates na sociedade civil e no mundo laico”, explica uma nota enviada à Fides pela ICPA.

Em uma entrevista à Fides, o jesuíta disse: “Desde que o Partido Bharatiya Janata (o Partido do Povo Indiano) assumiu o governo da Índia em 2014, as minorias religiosas no país, especialmente os muçulmanos e cristãos, têm sido alvo de contínuas agressões. Eles são intimidados, ameaçados, discriminados, presos ilegalmente. Em 2021, houve mais de 300 ataques contra cristãos em todo o país”.

O padre recorda também a triste história do seu confrade Pe. Stan Swamy, injustamente detido no outono de 2020, e que morreu no hospital em julho passado devido à deterioração de sua saúde. Nos últimos anos, observa, grupos radicais que promovem o nacionalismo religioso hindu, propagadores da violência e da intolerância, “gozam de maior impunidade”, graças a encobrimentos na política, no judiciário e na polícia.

Muitas vezes os perpetradores de violência, explica o jesuíta, “de forma falsa e com pretextos, acusam os cristãos ou missionários de converter os hindus ao cristianismo por meio de lisonja, dinheiro ou outras formas de ajuda”. E seguindo tal ideologia, oito Estados indianos promulgaram leis anticonversão (inofensivamente denominadas de “leis sobre liberdade de religião”), medidas que “visam impedir os indianos de abraçar o cristianismo ou o islamismo”. Essa abordagem, acrescenta o sacerdote, viola a Constituição indiana que estabelece a liberdade de pregar, praticar e professar a religião para todos os cidadãos.

Na cerimônia de entrega do Prêmio pela ICPA, Pe. Prakash falará sobre “a urgência de proteger a liberdade religiosa, pensando também na mensagem que o primeiro ministro Modi dirigiu ao Papa Francisco em seu recente encontro no Vaticano, quando o convidou para visitar o nosso país”, afirma, destacando que este é “um tema crucial para a vida dos cristãos na Índia”.

Fonte: Agência Fides em Vatican News