Pai Nosso

Poesia de autoria de Ignacio Iglesias, SJ. Convidamos todos à leitura!

Senhor, quando eu me fecho em mim,
Nada existe:
Não o teu céu e as tuas montanhas,
Os teus ventos e os teus mares;
Nem o seu sol nem a chuva das estrelas.
Nem os outros existem,
Nem você existe,
Nem eu existo.
Por meio do pensamento,
Eu me destruo.
E uma sombria solidão me envolve,
e eu não vejo nada e não ouço nada.
Cura-me, Senhor,
Cura-me por dentro,
Como os cegos,
Mudos e leprosos,
Que te apresentaram.
Eu me apresento.
Cura o meu coração
de onde vem,
o que os outros sofrem e onde mudei
e reprimi o teu amor,
que te devo.
Desperte-me, Senhor,
deste coma profundo,
que é o de me amar acima de tudo,
que eu possa te ver de novo,
para te ver,
para ver suas coisas
para ver sua vida,
para ver seus filhos
E que eu comece a falar,
como crianças,
-gaguejando-,
As duas palavras mais arredondadas da vida:
Pai Nosso.

Autor: Ignacio Iglesias, SJ