Partilhas e emoção marcam encerramento do Encontro da Província 2021


Cerca de 315 jesuítas, leigos e leigas de várias regiões do país e do exterior participaram do Encontro da Província do Brasil 2021, que encerrou na última sexta-feira (23). Foram três dias de muita partilha, oração, confirmação, louvor e emoção. Na ocasião, os participantes tiveram a oportunidade de refletir sobre o fortalecimento do trabalho em rede da Província dos Jesuítas do Brasil e conhecer um pouco mais sobre o Plano Apostólico 2021-2026, que está em fase de construção. Em virtude da pandemia, o encontro aconteceu totalmente on-line.

“Esta forma virtual de Encontro nos possibilitou encurtar distâncias e trazer para nós a presença do outro, talvez um pouco anônimo e com menos calor direto, mas um encontro como tiveram os companheiros de Jesus e isso me lembra daqueles que foram enviados às missões e carregaram um sentimento um pelo outro”, disse o Pe. Mieczyslaw Smyda, Provincial dos Jesuítas do Brasil, que também chamou a atenção para a riqueza da pluralidade cultural do Encontro. “A pluralidade cultural é a nossa maior riqueza, mas para podermos acolher, precisamos ter enorme sensibilidade uns para com os outros e nos escutarmos cada vez mais.”

PRIMEIRO DIA – ENCONTRAR E APROXIMAR

O Encontro teve início com um momento de oração e reflexão e, na sequência, Pe. Mieczyslaw Smyda expressou a alegria em poder reunir pela primeira vez, desde que assumiu como Provincial dos Jesuítas do Brasil, em março de 2020, tantos companheiros de uma só vez. “Fico feliz em poder nos encontrar como Província e, principalmente, como companheiros e companheiras na missão que a Igreja nos pede e que a Companhia nos confirma e nos envia … Esse é um momento muito privilegiado no qual podemos expressar não só as nossas ideias e pensamentos, mas, fundamentalmente, nossos sentimentos”, disse Pe. Smyda.

Pe. Mieczyslaw Smyda, SJ

Na ocasião, o Provincial convidou os presentes a olhar a realidade vivenciada durante estes tempos de pandemia e contemplá-la com amor. Reafirmou que todos estão interligados em Cristo, como companheiros e companheiras da missão. Fez memória do caminho percorrido até aqui como Província do Brasil e, de modo particular, o caminho que vem sendo cruzado para a construção do novo Plano Apostólico. Pediu para que todos olhassem com gratidão tudo aquilo que estamos vivendo. É claro, não obstante as dificuldades, as incertezas, as perdas, as dores e tudo que a gente vê ao nosso redor. Pe. Smyda reafirmou ainda o quão importante é louvar a Deus por isso, pelas obras, tudo aquilo que tem sido feito e da importância de se colocar em atitude de escutar a voz de Deus e, de modo muito particular, o grito dos pobres.

Ainda pela manhã, os participantes puderam conhecer um pouco mais do trabalho em rede, em especial na Rede Jesuíta de Educação Básica (RJE), na Rede de Promoção da Justiça Socioambiental e na Rede Diakonia, por meio da série Encurtando Distâncias.

Em seguida, foi a vez do Pe. Roberto Barros apresentar o caminho percorrido e o status para elaboração do Plano Apostólico da Província dos Jesuítas do Brasil, que deverá inspirar a vida e a missão da Companhia de Jesus para os próximos cinco anos no país.

Pe. Roberto Barros, SJ

LIVE: A IGREJA E A MISSÃO DA COMPANHIA DE JESUS SOB O OLHAR FEMININO

Dentro da programação do Encontro, à noite, o Provincial Pe. Mieczyslaw Smyda promoveu um diálogo sobre A Igreja e a missão da Companhia de Jesus sob o olhar feminino, com a Secretária Executiva e Articuladora da Equipe de Memória do CEAS (Centro de Estudos e Ação Social), Nélia Nascimento, e com a Irmã Aíla Luzia Pinheiro, do Instituto Religioso Nova Jerusalém. A live está salva no canal da Província dos Jesuítas do Brasil, no Youtube, e pode ser assistida pelo link https://bit.ly/2UC56Jb

SEGUNDO DIA – CONHECER E AMAR

Nesta quinta-feira, 22, o segundo dia do Encontro da Província do Brasil também foi marcado por momentos de oração, leitura do Evangelho e reflexão. Na sequência, o Encurtando Distâncias trouxe três vídeos que apresentaram o trabalho desenvolvido pela Rede do Serviço Jesuíta de Imigrantes e Refugiados (SJMR), pela Rede Inaciana de juventude e, por último, pela Rede Servir (Rede Inaciana de Colaboração, Fé e Espiritualidade), no país.

Pe. Agnaldo Junior, SJ

O Pe. Agnaldo Junior, diretor nacional do SJMR Brasil, compartilhou o papel da instituição como parceira estratégica nas ações de interiorização por todo o Brasil. Destacou a importância dessa atuação, como uma resposta cristã, de acolhida, integração e amparo aos migrantes e refugiados, que chegam sem assistência ao país. Além disso, apontou as articulações que o SJMR tem feito de norte a sul do país com a Rede Jesuíta de Educação, Rede MAGIS de Juventude e Vocações, Fé e Alegria etc.

“Nesses quatro anos de trabalho em rede, creio que avançamos bastante, embora seja uma rede jovem e frágil ainda, necessitando se consolidar, necessitando de mais apoio do ponto de vista da Província para que a gente possa ser uma rede mais potente, já que estamos atuando em uma área de alto impacto e vulnerabilidade”, afirmou Pe. Agnaldo.

Em seguida, foi a vez dos participantes conhecerem um pouco mais sobre o trabalho realizado pelo Programa MAGIS Brasil, como Rede Inaciana de Juventude, que articula, promove e acompanha ações apostólicas com os jovens, oferecendo experiências, formação e acompanhamento para ajudá-los a construir um projeto de vida cheio de esperança, a serviço da fé e promoção da justiça, formando homens e mulheres para os demais.

Pe. Jean Fábio Santana, SJ

Na ocasião, o Pe. Jean Fábio Santana, secretário para Juventude e vocações e coordenador do Programa MAGIS Brasil, afirmou que “ao olhar para a estrutura do Programa podemos dizer que os Centros e Espaços MAGIS são os nós da nossa rede, funcionando como um ponto de conexão e irradiação da missão com os jovens na Província dos Jesuítas, no Brasil. A partir deles, organizam-se uma série de projetos e ações em constante articulação com as redes internas e externas. Os serviços MAGIS são locais de formação, acompanhamento, estudos, articulação e irradiação do trabalho de juventude e vocações, com atuação de alcance local, regional, nacional e, até mesmo, internacional”.

E por último, os participantes do Encontro acompanharam um pouco do trabalho desenvolvido pela Rede Servir (Rede Inaciana de Colaboração, Fé e Espiritualidade), que tem uma ação integradora e dinamizadora de toda a missão da Companhia no Brasil. Seu eixo articulador é o Serviço da Fé, em diálogo aberto com outras culturas, outros credos e religiões, promovendo a experiência transformadora da fé através dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola.

Pe. Laércio Lima, SJ

O Pe. Laércio Lima, secretário da Província para a Colaboração, Fé e Espiritualidade, destacou que “este ano tem colaborado muito e contribuído muito para que o serviço fique ainda com melhor qualidade. Eu tenho feito experiência pelo Brasil afora, em todas regiões, descobrindo, valorizando e incentivando aquilo que já existe. Do mesmo modo tento ir desbravando, descobrindo outras frentes e vamos encontrando pessoas, homens e mulheres, muito valentes que estão ajudando nesta caminhada de anunciar Jesus Cristo… Sinto que, neste momento, estamos caminhando no caminho certo, que estamos indo em direção ao alvo que queremos, estamos favorecendo o diálogo com as várias redes, por exemplo, as Redes de Paróquia, de Educação, do Social, uma rede muito boa”.

REFLEXÃO SOBRE O NOVO PLANO APOSTÓLICO DA BRA

Em seguida, o escolástico Carlos Cesar Barbosa Silva, mediador do evento, convidou o Ir. Davidson Braga para dar continuidade à reflexão sobre o Plano Apostólico, iniciada ontem com o Pe. Roberto Barros. Ele trouxe um pouco do Plano Apostólico em si, que está em fase final de construção. 

O Ir. Davidson recordou que no início do ano foi criado um Grupo de Trabalho (GT), com sete pessoas, para analisar todo o material de escuta que foi feito pelos nove GTs de discernimento e também as contribuições que vieram das Obras e das Comunidades. Explicou que essas sete pessoas se reuniram para fazer um processo de escuta de todo o material e tentaram traduzir algo para oferecer ao Conselho Apostólico. Em seguida, esse Conselho se debruçou sobre esse material e o resultado é o texto provisório que foi apresentado.

Ir. Davidson Braga, SJ

Ir. Davidson destacou que este texto provisório do Plano Apostólico pretende “nos ajudar enquanto Corpo Apostólico da Companhia de Jesus a permanecer nestes caminhos que são os caminhos do Senhor”. 

Logo depois, o jesuíta pontuou algumas das esperanças e dos desejos que estiveram por trás da redação do Plano Apostólico, como:

  • Que o Plano Apostólico pudesse  favorecer a Província na tomada de decisões e na orientação de energias apostólicas;
  • Que o Plano Apostólico pudesse  ser um documento motivador, animador que favoreça o gosto pela missão;
  • Que o Plano  Apostólico pudesse ajudar a vencer tempos de incertezas;
  • Desejo de traduzir neste texto todas contribuições dos GTs, obras, comunidades em estratégias de apostolado.

Além desses desejos, o Ir. Davidson também pontuou quais eram as moções, movimentos internos que iam surgindo diante da leitura daquele material:

  • Necessidade de atentar para as particularidades e pluralidades regionais;
  • Apelo a pobreza e maior aproximação com os pobres;
  • Lugar da espiritualidade inaciana e do discernimento;
  • Trabalho em redes;
  • Experiência do Cuidado;
  • O papel das lideranças;
  • A importância da Comunicação;
  • Amazônia etc.

CONFERÊNCIA COM O CARDEAL JOSÉ TOLENTINO

Neste segundo dia, em entrevista aberta ao público em geral, o Cardeal José Tolentino de Mendonça, arquivista do Arquivo Secreto do Vaticano e bibliotecário da Biblioteca Apostólica Vaticana, na Cúria Romana, compartilhou um rico momento de reflexão para mais de 900 pessoas no Youtube da Província.

Com amplo conhecimento dos documentos da Igreja e proximidade com o Vaticano, dom Tolentino discutiu os desafios e as oportunidades da missão no pontificado do Papa Francisco. O cardeal português também refletiu sobre a situação mundial em meio à pandemia, e temas atuais como a educação do sensível para ouvir Cristo, a arte do encontro e a participação feminina na Igreja e na Companhia de Jesus.

Veja a entrevista completa em: https://bit.ly/2V7GN5z

TERCEIRO DIA – CONFIRMAR E ANIMAR

O terceiro e último dia do Encontro da Província do Brasil aconteceu na sexta-feira, 23. O evento teve início às 9h, com a apresentação de dois vídeos. O primeiro, do Papa Francisco, no qual ele faz um apelo à fraternidade (https://bit.ly/2W9jw3P); o outro uma mensagem da Província dos Jesuítas do Brasil sobre o Ano Inaciano (https://bit.ly/3kPY3ak). Em seguida, foi realizado um momento de oração, de reflexão e de louvor, com o escolástico Thadeu da Silva Souza.

ENCURTANDO DISTÂNCIAS

Dando continuidade à série ‘Encurtando Distâncias: nossa missão em rede’, os participantes puderam conhecer um pouco mais sobre o trabalho desenvolvido em rede pelo Fórum de Reitores das Instituições de Educação Superior Confiadas à Companhia de Jesus no Brasil (FORIES), pela Fundação Fé e Alegria, pela Formação e pela Rede Mundial de Oração do Papa. Ao longo desses três dias de Encontro, a série encurtou as possíveis distâncias das redes que compõem a Província do Brasil. A iniciativa teve como objetivo ajudar os jesuítas e leigos a compreenderem a Companhia como um corpo e não como pequenas partes. 

Pe. Josafá Siqueira, SJ

O Pe. Josafá Siqueira, reitor da PUC-Rio, apresentou, em linhas gerais, o FORIES. Contou que ele nasceu no espírito de manter maior articulação, cooperação e compartilhamento de experiências entre as instituições de Ensino Superior jesuítas. Mencionou os pontos e os aspectos que conectam os atores desta rede (PUC-Rio, Unicap, Unisinos, FEI, Dom Helder Câmara e FAJE)  e os  principais desafios que eles têm pela frente.

Em seguida, foi a vez dos participantes conhecerem um pouco mais sobre a Fundação Fé e Alegria, que promove no Brasil processos educativos integrais e inclusivos e ações de promoção social. Por meio da educação popular, a Fundação aposta na construção de uma sociedade democrática, justa e solidária.

O diretor-presidente da instituição no Brasil, Pe. Antônio Tabosa, fez um retrospecto da história do movimento e citou alguns dos trabalhos em rede que de forma articulada têm ajudado a Fundação na defesa e proteção da criança e do adolescente. 

De acordo com o jesuíta, Fé e Alegria atua também de forma articulada com organizações governamentais, como por exemplo, as prefeituras municipais, que financiam a educação infantil, e com outras organizações religiosas.

Por fim, o Pe. Antônio Tabosa concluiu sua apresentação com uma frase que sintetiza e reafirma tudo o que foi dito: “para Fé e Alegria o trabalho começa onde as políticas públicas não alcançam”.

Na sequência, o Pe. Jair Carneiro explicou o trabalho da Rede de Formação e os seus principais desafios. “A rede trata de um dos aspectos essenciais para a realização da missão da Companhia, seja ela pensada de um modo mais geral ou de um modo mais particular na formação dos nossos, dos jesuítas. A formação, eu poderia dizer, é algo vibrante e não menos desafiante.”

Pe. Jair Carneiro, SJ

Segundo o sacerdote, a Companhia de Jesus entende a formação como uma forma de processo de integração de um jovem jesuíta ao Corpo Apostólico. Por isso, ela precisa ser contínua e qualificada. “É a formação que  vai ajudar o jesuíta a aprofundar a sua identidade de companheiro de Jesus”, disse Pe. Jair.

Ele também chamou a atenção para o fato de que “a Província do Brasil é uma das poucas províncias que têm todas as etapas de formação no seu território, embora a maioria dos jesuítas seja convidada a fazer alguma delas em outro lugar, outra província.”

E, por último, o Pe. Eliomar Ribeiro, que há seis anos é diretor nacional da Rede Mundial de Oração do Papa, apresentou essa obra pontifícia confiada à Companhia de Jesus. De acordo com o jesuíta, o objetivo é incentivar a oração e a ação pelos desafios das humanidade e da missão da Igreja. No Brasil, essa rede está profundamente enraizada nas comunidades eclesiais, mesmo nas paróquias mais longínquas.

Pe. Eliomar Ribeiro, SJ

“A Rede Mundial de Oração do Papa, que hoje é o Apostolado da Oração e o Movimento Eucarístico Jovem (MEJ), participa de alguma forma da missão também da Companhia de Jesus, pois o Papa nos encarregou de coordenar e animar todo esse trabalho… Aqui no Brasil nós também participamos dessa missão da Companhia. Os pontos que a gente pode dizer que integram as diferentes etapas do MEJ e do Apostolado da Oração, eu diria que em primeiro lugar são os cerca de 12 mil jovens do MEJ, espalhados em 20 estados do Brasil. O outro ponto são os grupos do Apostolado da Oração, nós temos mais de 2 milhões de membros no país. Eu ainda acrescentaria a esses pontos o aplicativo de oração internacional, o Click To Pray, que é um aplicativo para oração em três momentos do dia (manhã, tarde e noite). E nós ainda temos o último ponto que é O vídeo do Papa, mensalmente o Pontífice grava um vídeo produzido por nós da Rede Mundial para conectar toda a humanidade e rezar pela intenção que nos pede”, explicou o Pe. Eliomar.

CARTA ABERTA AOS POVOS INDÍGENAS

Durante o Encontro, a Província do Brasil também informou aos participantes a publicação de uma carta aberta (https://bit.ly/3kZelOw), na qual se posiciona, em especial os jesuítas indigenistas missionários, contra o PL 490 (projeto de lei que altera as regras para a demarcação das terras indígenas). No documento, os jesuítas recordam a atuação da Companhia em prol dos povos indígenas, pedem a extinção do PL e que os povos indígenas sejam tratados com justiça.

PLANO APOSTÓLICO

Ainda na manhã deste último dia, o Pe. Laércio Lima, secretário da Província para a Colaboração, Fé e Espiritualidade, explicou os próximos passos do processo de construção do texto do Plano Apostólico, as motivações e orientações. Enfatizou que mais importante que o texto é o processo de conversão espiritual e discernimento comum da missão na Província, que determina o envolvimento com a missão e as Preferências Apostólicas Universais. Pediu a todos que rezem por este processo e agradeceu a todos os envolvidos na elaboração do Plano Apostólico.

HOMENAGEM PÓSTUMAS

Ao final do Encontro, houve, ainda, uma homenagem póstuma aos jesuítas que faleceram nos últimos dois anos na Província do Brasil.