Presente

Convidamos todos à leitura do poema escrito por Alan Cavalcante, SJ

Dezenove horas e trinta e cinco minutos
O corpo se contorce de alegria
O coração se contrai firmemente
[Para extrair-se ao máximo]
Quase se dança num ritmo que toca internamente
A mente intui presente O que Transcende.

Dezenove horas e trinta e seis minutos
O corpo inibiu-se.
O coração só contrai, dor aguda.
O ritmo não motiva andar
Anda na mente a perturbação.

Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?
Esvaziado.
Descomposto.
Grito e súplica.

A escuta é uma Palavra. Sem horas.
Uma Palavra à mulher que sempre esteve.
Sempre esteve.
Sempre estou.
Sempre estaremos.
A Palavra ecoada, a paz, conosco, sempre, presente, vivo…
O Pai, enviou, envia, em toda…
Em toda hora o corpo que quase dança.

Por: Alan Cavalcante, SJ