REPAM amplia participação feminina em sua equipe de presidência

Ir. Maria Carmelita de Lima Conceição e Yesica Patiachi Tayori, nascidas na Amazônia, estão entre os anunciados

A Rede Eclesial Pan-Amazônica (REPAM) anunciou este mês a ampliação da sua equipe de presidência, que agora passa a contar com a participação das conselheiras Ir. Maria Carmelita de Lima Conceição e Yesica Patiachi Tayori, e do secretário-adjunto, Rodrigo Fadul Andrade. Eles se unem ao presidente, Card. Pedro Barreto, ao vice-presidente, Dom Rafael Cob, e ao secretário executivo, Ir. João Gutemberg Sampaio.

Trata-se de um passo a mais no caminho da sinodalidade, como propõe o Documento Final do Sínodo para a Amazônia e que está “caracterizado pelo respeito à dignidade e igualdade de todos os batizados, pelo complemento de carismas e de ministérios, pelo prazer de se reunir em assembleias para discernir juntos a voz do Espírito”.

Os três novos membros nasceram na Amazônia, o que deve ajudar, seguindo as propostas do Sínodo, na busca por “uma Igreja de rosto amazônico” que caminha “prestando atenção especial à participação efetiva dos leigos no discernimento e na tomada de decisões”. Escutar a voz das mulheres também foi um dos apontamentos do último Sínodo, “que elas sejam consultadas, participem da tomada de decisões”, afirma o Documento Final, e possam “ter acesso à funções e inclusive a serviços eclesiais que não requeiram a Ordem sacra e permitam expressar melhor o seu lugar próprio…”, como pontuou o Papa Francisco na Exortação Apostólica Querida Amazônia.

A Ir. Maria Carmelita acolheu sua nova missão com “um sentimento de gratidão por essa continuidade à proposta do Papa Francisco, que a Igreja seja sempre mais sinodal e todas as vozes possam ser ouvidas”. Ela reconhece que “quando foi proposto a presença de mulheres nascidas na Pan-Amazônia, representantes dos grupos, da vida religiosa, das comunidades tradicionais, me deu uma grande alegria em ver que realmente as coisas estavam acontecendo e que é possível essa Igreja sinodal, esse sonho que o Papa Francisco coloca na Querida Amazônia, que todos tenham seu lugar, que todos tenham seu espaço”.

A superiora das salesianas na Amazônia brasileira “sonha que muitos outros grupos serão representados na REPAM, nas várias instâncias, nas várias comissões de reflexão, trazendo a voz da Amazônia”. Ela complementa: “eu sinto uma grande alegria em poder participar e também poder trazer a voz daqueles que nem sempre têm a possibilidade de ser ouvidos”.

Os novos membros da presidência, irão participar de reuniões, de encontros, das instâncias de reflexão, de consultas, procurando contribuir, sempre que possível, para que a Igreja seja cada vez mais sinodal e mais amazônica.

Fonte: Vatican News