SJMR Boa Vista promove sessões de cinema para crianças migrantes

A atividade abordou temas como emoção, solidariedade e união

A equipe de proteção do Serviço Jesuíta a Migrantes e Refugiados (SJMR) de Boa Vista, em Roraima, promoveu, em parceria com a Fundación Panamericana para el Desarrollo (FUPAD) e o Bureau of Population Refugees and Migration (PRM), nos dias 18 e 25 de fevereiro, sessões de cinema para crianças e adolescentes que residem na rodoviária da cidade. O objetivo da ação foi desenvolver atividades recreativas para a criação de vínculos e abordar temáticas como emoção, solidariedade e união com as crianças e os adolescentes migrantes e refugiados. A iniciativa também contou com o apoio do Exército Brasileiro.

No dia 18, o filme escolhido para a atividade, que faz parte do projeto Integrando Horizontes, foi o Divertida Mente, uma animação da Disney que aborda o tema da inteligência emocional de forma simples e didática. Ao tratar sobre emoções tão diretamente, se tornou uma referência no assunto, capaz de inspirar tanto famílias quanto educadores. O filme, vencedor de 97 prêmios de cinema, tem como protagonista uma garotinha, de 11 anos, chamada Riley.

A escolha da animação, exibida para crianças entre 8 e 17 anos, se deu pela mensagem transmitida sobre nossas emoções. “O objetivo foi tirar eles do contexto de refugiados e migrantes, e lembrá-los que são crianças e adolescentes por meio dessa atividade lúdica. Além de trabalhar seus mecanismos de enfrentamento, possibilitando um espaço para que falem sobre suas emoções”, contou Gabriela Paiva, colaboradora da equipe de proteção do SJMR Boa Vista e responsável pela atividade.

Já no dia 25, foi a vez dos pequenos de 3 a 8 anos assistirem ao filme Vida de Inseto. Animação que, por meio da história da formiga Flik e sua colônia, traz uma mensagem sobre resiliência, união e solidariedade.

Situação em Roraima

Com o agravamento da crise econômica e social na Venezuela, o fluxo de migrantes para o Brasil cresceu maciçamente nos últimos anos. Entre 2015 e maio de 2019, o Brasil registrou mais de 178 mil solicitações de refúgio e de residência temporária. A maioria entra no País pela fronteira norte do Brasil, no Estado de Roraima, e se concentra nos municípios de Pacaraima e Boa Vista.