Papa pede mais participação de leigas em instâncias de responsabilidade na Igreja


No Vídeo do Papa de outubro, Francisco confia à Igreja a intenção de oração para uma maior integração dos fiéis leigos, a quem ele considera verdadeiros protagonistas do anúncio do Evangelho, e pede que especialmente as mulheres participem das “instâncias de responsabilidade na Igreja”.

Ampliar a presença feminina em espaços relevantes na Igreja

O Santo Padre sinalizou gestos que promovem esta vontade de dar à Igreja um peso feminino maior. Em 2016, por exemplo, o dia de santa Maria Madalena foi elevado à categoria de festa litúrgica, sendo a santa hoje definida no novo prefácio da Missa como “apóstola dos apóstolos”. Ele tomou essa decisão para demonstrar a importância desta mulher, a primeira a ver o rosto do Ressuscitado dentre os mortos, a primeira a quem Jesus chama pelo nome, a primeira a receber do próprio Jesus Cristo a missão de anunciar sua Ressurreição. Assim, Francisco, desde o início de seu pontificado, tem nomeado cada vez mais mulheres para as instâncias de responsabilidade da Igreja.

O diretor internacional da Rede Mundial de Oração do Papa, padre Frédéric Fornos, recorda que, desde 2013, “muito foi feito, mas muito mais deve ser feito”. Ele lembra uma frase do Papa Francisco em Evangelii Gaudium: “As reivindicações dos legítimos direitos das mulheres, a partir da firme convicção de que homens e mulheres têm a mesma dignidade, colocam à Igreja questões profundas que a desafiam e não se podem iludir superficialmente (EG 104)”. Sobre este vídeo, no qual Francisco promove “a integração das mulheres nos lugares onde são tomadas decisões importantes”, o padre Fornos recorda que “pelo batismo todos são chamados a anunciar e servir com fidelidade o Evangelho de Jesus Cristo e a ser discípulos missionários do Senhor, mas, entre os fiéis leigos, as mulheres foram consciente e inconscientemente rebaixadas a um nível inferior. Como recordou Francisco em Querida Amazônia, muitas mulheres, impelidas pelo Espírito Santo, mantêm a Igreja de pé, em muitas partes do mundo, com admirável dedicação e fervorosa fé. É fundamental que participem cada vez mais em suas instâncias de decisão. Isso exige uma mudança profunda de mentalidade, exige a nossa conversão, que implica oração”.

 

Fonte: Rede Mundial de Oração do Papa