Festival on-line marca Dia Mundial do Refugiado neste sábado (20)

O evento é uma realização do SJMR, a maior rede católica de atenção a migrantes e refugiados no mundo

No próximo dia 20 de junho, Dia Mundial do Refugiado, às 17h, o Serviço Jesuíta a Migrantes e Refugiados (SJMR Brasil) promoverá o festival on-line Tantos somos, somos um – Pelos sonhos de todas as pessoas. O evento reunirá diversas manifestações culturais (dança, música, poesia e performance) e promete marcar a data. A transmissão será feita pelo Facebook e pelo canal da instituição no Youtube

Os próprios refugiados estarão entre as atrações artísticas do festival. Uma delas é a cantora e atriz haitiana, Angetona Dorgilus, que vive no Brasil há cinco anos e que participou do filme Rodantes, do diretor Leandro Lara, de 2019. Estão programadas ainda participações especiais dos fotógrafos Victor Moryama, correspondente do New York Times no Brasil, e o espanhol Sergi Camara, que registraram o drama dos migrantes e refugiados em solo brasileiro, além do fotógrafo Claudio Edinger. 

O objetivo do festival é a sensibilização do público em geral para a causa das pessoas refugiadas. No Brasil, ao final de 2019, cerca de 130 mil pessoas vindas da Venezuela, solicitaram às autoridades competentes serem reconhecidas como refugiadas no país, de acordo com a plataforma R4V. Com a pandemia da Covid-19, a situação dos refugiados ficou ainda mais complicada por conta do desemprego e da dificuldade que muitos tiveram para a obtenção do auxílio emergencial oferecido pelo governo federal, sem contar os casos de refugiados que acabaram perdendo a vida por conta da doença. 

O festival será apresentado pelo ator Eduardo Mossri, que interpretou o médico sírio Faruq na novela Órfãos da Terra, produzida pela Rede Globo, e que participou como voluntário, por um mês, das atividades do SJMR, em Boa Vista (RR). Após essa experiência, ele sentiu o desejo de sensibilizar e conscientizar mais pessoas para a causa da população em situação migratória ou de refúgio. Ao ser convidado para participar do festival, não hesitou em aceitar o convite: “Pessoas sofrendo não pode ser problema dos outros, pessoas sofrendo é um problema de todos, ainda mais quando são crianças. (…) É uma causa urgente e que necessita de amparo”, afirma Eduardo Mossri. 

Várias ações promovidas pela equipe de colaboradores e voluntários do SJMR durante a pandemia serão lembradas durante a programação do festival. A intenção da instituição é que as pessoas conheçam as iniciativas promovidas em prol das pessoas migrantes e refugiadas nos últimos meses e colaborem ainda mais com as doações para que a assistência humanitária possa ser ampliada. 

Presidente da CNBB envia mensagem em apoio aos migrantes e refugiados

O presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e arcebispo de Belo Horizonte (MG), dom Walmor Oliveira de Azevedo, se dirigiu, em vídeo, ao público que acompanhará o festival. 

Na mensagem, ao se referir ao Papa Francisco, dom Walmor lembrou que “ninguém é estrangeiro” e que essa afirmação deve ser compreendida pelas pessoas para superar os preconceitos, indiferenças e resistências. “Ao olhar para cada migrante, precisamos enxergar um irmão, uma irmã. O migrante não é somente aquele que vem de longe, uma pessoa de hábitos e costumes diferentes. É nosso irmão, é nossa irmã”, disse. 

Dom Walmor também criticou o contrassenso que há no mundo atual com a defesa da liberdade de circulação de mercadorias e o aumento das perseguições aos migrantes. Ao final de sua mensagem, o presidente da CNBB desejou que o festival seja uma “oportunidade para fortalecer corações no exercício da solidariedade” e fez um agradecimento especial ao Serviço Jesuíta a Migrantes e Refugiados, se referindo à entidade como uma “verdadeira escola de solidariedade, construindo uma humanidade nova”. 

Outras representações da Igreja também enviaram mensagens para serem exibidas durante a transmissão do festival. Entre elas, estão o cardeal Michael Czerny, subsecretário da Seção Migrantes e Refugiados da Santa Sé, padre Arturo Sosa, Superior Geral da Companhia de Jesus, a irmã Graciela Francovig, Superiora Geral das Filhas de Jesus, dom Mário Antônio da Silva, segundo vice-presidente da CNBB, e padre Mieczyslaw Smyda, Provincial dos Jesuítas no Brasil.