Adaptação nas festividades de São José de Anchieta


A tradicional Festa Nacional de São José de Anchieta é organizada, todos os anos, no fim de maio e começo de junho, no município de Anchieta, litoral do Espírito Santo. As comemorações, que se iniciam no sábado anterior ao início da novena do santo e terminam com os festejos de São Pedro e São Paulo, também precisarão se adaptar à pandemia do coronavírus.

Atendendo aos pedidos de Papa Francisco para “abrir novos horizontes e abrir janelas até Deus” neste momento, o Santuário Nacional São José de Anchieta tem trabalhado com a ideia de que cada lar é uma “Igreja doméstica”, explica o reitor Pe. Nilson Marostica. Para celebrar o padroeiro do Brasil, recursos como transmissões on-line estão sendo utilizados.

“Desde março, estamos vendo a pandemia do coronavírus ir fechando nossas comunidades, tornando as missas virtuais e esvaziando nossas atividades”, relata Pe. Nilson. O jesuíta conta que o planejamento e a ansiedade para as comemorações anuais estavam grande, mas que os devotos estarão unidos com motivação, mesmo em meio a adaptações que não permitem reuniões presenciais.

A novidade das transmissões on-line tem sido bem aceita pelo público, segundo o reitor do Santuário: “atingimos, diariamente, em torno de 1.500 pessoas aqui na Paróquia e em todo o Brasil. Coisa que antes não tínhamos”. Por meio das chamadas lives, serão feitas as adaptações na programação, como: a tradicional Caminhada da Luz, um percurso de duas horas e meia que costuma percorrer as praias que levam ao Santuário, será representada pelo momento de Taizè, realizado e transmitido dentro do Santuário com poucos colaboradores; a carreata, que leva a imagem de São José de Anchieta e o relicário com parte do osso do santo, será substituída pelo momento de oração e adoração dentro da capela do Santíssimo; o dia de Corpus Christi, quando cerca de 4 mil peregrinos caminham de Vitória (capital do Espírito Santo) em direção ao Santuário, em Anchieta, para receber a benção na chegada e são acolhidos, será simbolizada pela adoração do Santíssimo no pátio do Santuário; já os passos de Anchieta estarão em uma apresentação da vida e do percurso do santo pelo Brasil.

Sobre a vivência neste tempo de pandemia, Pe. Nilson relembra que São José de Anchieta “sempre foi invocado contra as epidemias”. Na visão do padre, a devoção ao santo, atualmente, “significa invocar aquele que é Apóstolo e Padroeiro do Brasil, padroeiro dos Farmacêuticos, padroeiro dos Catequistas e do Teatro Brasileiro, dentre tantos títulos, para que interceda por todo o País e nos livre dessa pandemia que está levando milhares de brasileiros”. 

 

Oração a São José de Anchieta nas epidemias

São José de Anchieta, Apóstolo do Brasil; a quem confiamos a saúde do corpo e da alma do povo desta terra; que encontraste boa saúde nestes trópicos e recomendastes as terras do Brasil, vem em nosso auxílio, diante desta grande calamidade que nos assola.

Foste tu que se colocaste entre a sala de aula e a enfermaria, socorrendo muitos filhos e filhas, que te procuravam na missão de Piratininga, atormentados de inúmeras enfermidades e epidemias.

Foste tu que na carência total se fez médico e com as plantas desta terra encontrou veículo para novas medicinas.

Foste tu que movido pelo zelo do Evangelho tentou salvar a muitos por meio da Palavra e da Eucaristia, aumenta em nós a Fé, a Esperança e a Caridade, para que movidos pelos mesmos sentimentos de Cristo, possamos servir os mais pobres e necessitados.

Como foste tudo para todos, faça-nos colocar toda nossa confiança em Cristo Jesus. Para que em nosso por do sol, brilhe vitoriosa a Luz de Cristo. Que a Virgem Maria rogue por nós, em nossas agonias e angústias, dando-nos seu Filho Jesus, como remédio para nossa vida.

São José de Anchieta, rogai por nós. Amém