Papa: a paz é um caminho de esperança feito pelo diálogo e pela reconciliação


Hoje (1/1), em seu primeiro Angelus de 2020, o Papa Francisco lembrou que, além de encerrarmos 2019 agradecendo a Deus pelo dom do tempo e por todos seus benefícios, devemos iniciar o novo ano com a mesma atitude de gratidão e louvor. “Não é óbvio que nosso planeta tenha iniciado um novo giro em torno do sol e que nós, seres humanos, continuamos a viver lá. Não é óbvio, antes pelo contrário, é sempre um ‘milagre’ com o qual maravilhar-se e agradecer”, disse o Santo Padre.

Francisco ressaltou que, no primeiro dia do ano, a Liturgia celebra a Santa Mãe de Deus, Maria, a Virgem de Nazaré, que deu à luz Jesus, o Salvador. “Esse Menino é a Bênção de Deus para todo homem e mulher, para a grande família humana e para o mundo inteiro. Jesus não tirou o mal do mundo, mas o derrotou na raiz. Sua salvação não é mágica, mas é uma salvação ‘paciente’, isto é, comporta a paciência do amor, que assume a iniquidade e lhe tira o poder”, observou, acrescentando: “A paciência do amor: o amor nos torna pacientes. Tantas vezes perdemos a paciência; também eu, e peço desculpas pelo mal exemplo de ontem”. Nesta última frase, muito provavelmente, o Papa faz referência à reação que teve diante do puxão que recebeu de uma pessoa ao saudar populares na Praça São Pedro, após rezar diante do Presépio

O Pontífice continuou: “Por isso, hoje, a Mãe de Deus nos abençoa, mostrando-nos o Filho. E como Nossa Senhora nos abençoa? O pega nos braços e o mostra para nós, e assim nos abençoa. Abençoa toda a Igreja, abençoa o mundo inteiro. Jesus, como cantaram os anjos em Belém, é ‘alegria para todo o povo’, é a glória de Deus e a paz para os homens (cf. Lc 2, 14)”.

Em seguida, Francisco explicou que é esse o motivo pelo qual o Santo Papa Paulo VI quis dedicar o primeiro dia do ano à paz – é o Dia da Paz – a oração, a tomada de consciência e de responsabilidade pela paz. “Para este ano de 2020, a mensagem é esta: a paz é um caminho de esperança, um caminho no qual se avança por meio do diálogo, da reconciliação e da conversão ecológica”, disse o Pontífice, citando sua mensagem para a celebração do Dia Mundial da Paz, divulgada pelo Vaticano no dia 8 de dezembro de 2019.

O Papa pediu para que, neste início do ano, “deixemo-nos abençoar. Deixemo-nos abençoar por Nossa Senhora com seu filho! Jesus é a bênção para aqueles que são oprimidos pelo jugo das escravidões, escravidões morais e escravidões materiais. Ele liberta com amor”. E completou com uma mensagem de esperança: “Para aqueles que perderam a autoestima por permanecendo prisioneiros de vícios, Jesus diz: o Pai te ama, não te abandona, espera com paciência inabalável teu retorno (cf. Lc 15, 20). Para quem é vítima de injustiça e exploração e não vê a saída, Jesus abre a porta da fraternidade, onde encontrar rostos, corações e mãos acolhedoras, onde compartilhar a amargura e o desespero e recuperar um pouco da dignidade. Para aqueles que estão gravemente enfermos e se sentem abandonados e desanimados, Jesus se faz próximo, toca as chagas com ternura, derrama o óleo da consolação e transforma a fraqueza em força do bem para desfazer os nós mais difíceis. Para quem está encarcerado e é tentado a se se fechar em si mesmo, Jesus reabre um horizonte de esperança, começando por um pequeno vislumbre de luz”.

Francisco concluiu o Angelus com mais um pedido: “Queridos irmãos e irmãs, desçamos dos pedestais de nosso orgulho – todos nós temos a tentação do orgulho – e peçamos a bênção da Santa Mãe de Deus, a humilde Mãe de Deus. Ela nos mostra Jesus: deixemo-nos abençoar, abramos o coração à sua bondade. Assim, o ano que começa será um caminho de esperança e paz, não com palavras, mas através de gestos diários de diálogo, de reconciliação e cuidado para com a criação”.

Leia a íntegra da mensagem do Santo Padre para a celebração do Dia Mundial da Paz:
A PAZ COMO CAMINHO DE ESPERANÇA: DIÁLOGO, RECONCILIAÇÃO E CONVERSÃO ECOLÓGICA

Fonte: Vatican News
Foto: Diocese de Tubarão (SC)