Jesuíta participa de evento inédito sobre Teologia na China


O teólogo jesuíta Élio Gasda, professor da FAJE (Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia), foi o único brasileiro participante do Congresso China e América Latina: novas abordagens e interações para uma cooperação crescente, realizado nos dias 11 e 12 de maio. Patrocinado pelo governo da China e organizado pela Escola de Estudos Internacionais da Universidade de Zhuhai, a Conferência reuniu, pela primeira vez, teólogos católicos.

Segundo padre Gasda, diversos intelectuais da América Latina participaram do encontro, além de estudantes e professores chineses da Universidade. “Foi uma oportunidade riquíssima de intercâmbio de ideias, opiniões e experiências, sem falar da convivência com a cultura, a música, a arte e a gastronomia locais”, comentou o jesuíta, que apresentou a palestra Economia, Política e Libertação a partir do olhar latino-americano e da experiência brasileira.

Durante o evento, as exposições trataram sobre Teologia, Ética e Política e, apesar de algumas dificuldades, como o corte do orçamento e a tentativa de reduzir a quantidade de convidados, os organizadores consideraram a conferência um sucesso, uma vez que, segundo eles, nos últimos meses, intensificou-se o controle ideológico na China, sobretudo depois do XIX Congresso do Partido Comunista, realizado em outubro de 2017.

“Foi uma oportunidade riquíssima de intercâmbio de ideias, opiniões e experiências, sem falar da convivência com a cultura, a música, a arte e a gastronomia locais”

Pe. Élio Gasda

Impressionado com a visita à China, o professor da FAJE destacou a importância do evento, o primeiro sobre temas relacionados à Teologia realizado no País, após a revolução comunista liderada por Mao Tsé-Tung, em 1949. Desde essa época, qualquer referência à teologia ou à religião eram sistematicamente censuradas, fato pelo qual foi obrigatória a mudança do título original do evento e alguns títulos de palestras, que faziam referência aos dois conceitos.

“A acolhida e a receptividade foram impecáveis. No aspecto turístico, vale destacar a histórica e mítica Macau e seus monumentos e cassinos gigantescos; o museu que conserva a tradição da cultural milenar; a presença portuguesa e dos jesuítas; as relíquias de São Francisco Xavier guardadas no antigo seminário São José. Foi marcante a visita que fizemos aos jesuítas que lá trabalham”, comentou.

Outro aspecto que chamou a atenção do teólogo jesuíta foi a cidade de Hong Kong e sua baía: “uma cidade pujante, cosmopolita, rica, com desenvolvimento urbano e tecnológico acelerado, com visível preocupação em configurar-se numa megacidade sustentável”, completou.

 

Fonte: FAJE (Belo Horizonte/MG)