Especial: O que é ser mais consciente?


No recém-lançado livro Deus é jovem (Editora Planeta), o Papa Francisco fala que “a juventude não existe”. Em um primeiro momento, essa afirmação pode soar estranha, porém, ao explicar os motivos pelos quais acredita que a juventude é um mito, Francisco surpreende-nos dizendo: “gosto de pensar que a juventude não existe e quem existe, em seu lugar, são os jovens”. A frase dita pelo Pontífice provoca-nos a refletir sobre o valor e a riqueza de cada vida que compõe essa juventude, que não tem uma cara única e que, por isso, não deveria ser considerada em um só termo.

Ainda na obra, resultado de uma série de entrevistas ao jornalista Thomas Leoncini, Francisco afirma que Deus deseja que os jovens tenham uma missão. “A missão dos jovens é serem profetas e, para serem profetas, eles têm que ‘sujar os pés’ nas estradas, estar entre outros jovens que precisam de um sentido para a vida e ajudá-los, fazerem-se portadores de esperança […]”, diz o Papa. Nesse sentido, ele ressalta que se tornar missionário, no sentido amplo da palavra, “nos permite observar o mundo com novos olhos, não mais como turistas da vida, mas como protagonistas”.

Ajudar o jovem a ser protagonista da própria vida e a ter mais consciência de si, dos outros e do mundo é o que inspira o Programa MAGIS Brasil em 2018. Com o tema central Ser + Consciente, a ação apostólica da Companhia de Jesus junto aos jovens busca inspirar a vivência da fé madura e do engajamento social crítico. Mas, afinal, o que é a consciência? Atualmente, existe grande número de teorias que tentam explicar o que ela é. Para a Igreja, a consciência é o espaço em que nos colocamos à escuta do Espírito. Segundo o Concílio Vaticano II, “a consciência é o centro mais secreto e o santuário do homem, no qual se encontra a sós com Deus, cuja voz se faz ouvir na intimidade do seu ser” (Gaudium et spes, 16).

O documento preparatório para o Sínodo dos Bispos (veja mais abaixo), que acontecerá em outubro deste ano, afirma também que “a consciência é um espaço inviolável onde se manifesta o convite a aceitar uma promessa. Distinguir a voz do Espírito dos outros apelos e decidir que resposta dar é uma tarefa que compete a cada um: os outros podem acompanhá-lo e confirmá-lo, mas jamais substituí-lo”.

SÍNODO DOS BISPOS
O Sínodo dos Bispos é considerado uma das mais relevantes reuniões do episcopado da Igreja e tem como função auxiliar o Papa em seu governo eclesial, promovendo reflexões e discussões sobre demandas e realidades conectadas diretamente ao tema central do evento.
Expressando sua preocupação com as juventudes, Francisco convocou o próximo Sínodo dos Bispos, que acontecerá em outubro de 2018 e terá como tema Os jovens, a fé e o discernimento vocacional. Por meio desse encontro, o Pontífice conforma seu desejo de ouvir e dialogar com os jovens do mundo todo.

Nesse sentido, o Programa MAGIS Brasil, por meio da campanha Ser + Consciente, faz um convite aos jovens para se apropriarem de suas histórias e da realidade, para descobrirem o mundo onde vivem e seu lugar nele.  “O chamado para uma tomada de consciência do que somos, do que acreditamos e do que queremos para o mundo contribui para que possamos buscar, com profundidade e qualidade, ‘ser mais para os demais’ e agir ‘para a maior glória de Deus’”, afirma padre Jonas Caprini, secretário para Juventude e Vocações da Província dos Jesuítas do Brasil – BRA.

Tendo como ponto de partida o ‘ser mais’, em 2017, o Programa MAGIS Brasil abriu frentes de trabalho com alguns lemas, como Ser + Humano, Ser + Contemplativo, Ser + Desapegado etc. Dentro desse leque de propostas, que nasceu como resultado do trabalho realizado nos Centros, Casas e Espaços MAGIS, o tema Ser + Consciente foi eleito para ser aprofundado ao longo de 2018. “Escolhemos trabalhar com essa temática, pois este ano é bastante significativo para a caminhada da juventude por vários motivos, a começar pela realização da Campanha da Fraternidade (CF) 2018, que joga luzes para as violências praticadas em diferentes esferas de nossa sociedade, inclusive atingindo as juventudes mais empobrecidas, que estão morrendo nas periferias do mundo. Não podemos cruzar os braços diante dessa triste e alarmante realidade”, afirma o jesuíta.

Além disso, ele lembra dois importantes acontecimentos deste ano: as Eleições Gerais no Brasil e o Sínodo dos Bispos, que acontecerão em outubro. “As eleições nos apontam para a importância de a juventude participar, ativamente, do processo eleitoral democrático brasileiro. Já o Sínodo dos Bispos nos convida a refletir sobre a vivência de nossa fé nos tempos atuais e nos provoca com relação ao sentido de se fazer um discernimento vocacional: por quais motivos devemos nos atentar para esse exercício interno? O que é elaborar um projeto de vida à luz da vontade de Deus? Então, essas são atividades, temas e eventos que contribuíram para que o Programa MAGIS Brasil atuasse no âmbito da conscientização em 2018, por meio da Campanha Ser + Consciente”, ressalta padre Jonas.

Nesse contexto, todas as atividades propostas pelo Programa MAGIS, em 2018, vão conter provocações, que são também bastante inacianas. “A partir da programação dos Centros, Casas e Espaços MAGIS, estamos oferecendo ao público juvenil questionamentos que favoreçam a reflexão sobre o que motiva suas escolhas, ações e o próprio projeto de sua vida. Essas questões suscitarão nos jovens reflexões como: por que estou participando dessa atividade? eu me sinto chamado a quê? o que preciso rever em minha postura, projeto de vida ou atuação pastoral como jovem católico?”, diz o jesuíta. Padre Jonas afirma também que essa iniciativa busca colaborar com a construção da consciência crítica da juventude, inspirando-a a ser, socialmente, mais engajada e ativa nas comunidades, paróquias, grupos, universidades e pastorais de que participa.

Outra novidade deste ano é a realização dos Encontros MAGIS Regionais (confira o calendário das datas do encontro no final do texto), que terão importância estratégica no desenrolar da Campanha Ser + Consciente. Os eventos ajudarão no aprofundamento do tema dentro da rede inaciana de juventude e com os jovens ligados às obras da Província dos Jesuítas do Brasil – BRA. “Esses encontros abordarão o tema da conscientização, oferecerão espaços formativos, de espiritualidade e instrumentos para os participantes se empoderarem da Campanha”, explica ele.

PROCESSO DE HUMANIZAÇÃO

“Conheci o Programa MAGIS em um momento de muita inquietude interna. Por meio dessa proposta e das pessoas que encontrei, consegui identificar essa inquietude e trabalhar para melhorá-la. Posso afirmar que nunca fui tão bem acolhida quanto aqui. Após conhecer, vivenciar e me envolver com as atividades do Programa MAGIS, posso dizer que sou mais consciente de mim e do outro, sou mais realizada e feliz”, conta a paulistana Barbara Caroline de Sousa Appolinário, 27 anos.

Envolvida com a campanha do Programa MAGIS para este ano, a jovem acredita que ser mais consciente é reconhecer a si próprio, o outro e a realidade. “Entendo que, à luz do carisma inaciano, ser mais consciente é reconhecer nossas excelências e nossas falhas e construir um caminho justo e fraterno comigo e com o outro”, afirma Barbara, que, atualmente, participa da atividade de Voluntariado Jovem de seis meses do MAGIS Brasil, em Fortaleza (CE).

“[…] à luz do carisma inaciano, ser mais consciente é reconhecer nossas excelências e nossas falhas e construir um caminho justo e fraterno comigo e com o outro”

Barbara Appolinário, 27 anos

Em Santarém (PA), Ayla Tapajós, 19 anos, conta que conheceu o carisma inaciano por meio do MAGIS Brasil e que esse conhecimento mudou sua vida. “A espiritualidade inaciana me encanta e o programa tem uma maneira de agir na vida das pessoas. Na verdade, a energia das pessoas parece ser diferente, o cuidado, o comportamento e o amor de Deus são muito visíveis nas ações e tudo isso me atraiu. Cada vez mais, eu fui experimentando e, assim, descobrindo o magis que há dentro de mim”, partilha a jovem.

Colaboradora do Espaço MAGIS Santarém e do Centro MAGIS Amazônia, Ayla acredita no poder da ação para mudar a realidade. Nesse sentido, o tema Ser + Consciente é inspirador para ela. “Eu me identifico muito com a proposta. Então, isso me incentiva a articular essa ideia com outras pessoas, outros jovens. Para mim, ser mais consciente é muito além de tomar conhecimento de algo, fato ou acontecimento, até mesmo comportamento, é fazer com que essa frase seja o reflexo de uma ação. O que quero dizer é que não basta ter noção, informação ou ciência de alguma coisa, é preciso que isso saia para fora e se transforme em ato, em uma forma de agir. É sair do comodismo mesmo, é ir além. É ver as coisas acontecendo ao redor e reagir, sem fingir que não está sendo atingido. E essa inquietação é muito característica da espiritualidade inaciana, as coisas, os sentimentos se despertam na intenção de que tenha uma ação”, afirma Ayla.

Logo que conheceu a Casa MAGIS Manresa, em Cascavel (PR), Douglas Santos teve contato com a espiritualidade inaciana. Para ele, esse encontro com Deus foi inesquecível. “Com uma rotina corrida, com muito barulho e sempre com algo para fazer, é difícil conseguir ter um momento com o Senhor. Com os Exercícios Espirituais (EE), eu consegui ter tempo e uma proximidade maior com o Pai”, afirma o jovem de 20 anos, que acrescenta: “na experiência dos EE, eu senti a bondade, o amor, o respeito pelo próximo e, para mim, isso também é ser consciente”.

Imbuído pelo tema da Campanha do Programa, Douglas acredita que “Ser mais consciente é não olhar só para si, mas pensar no próximo e saber que a realidade dele pode ser muito turbulenta, com dificuldades, sofrimento, angústias, que só os nossos olhos não são capazes de ver, e que, de alguma maneira, temos que contribuir para o bem”, ressalta.

“Para mim, ser mais consciente é muito além de tomar conhecimento de algo, fato ou acontecimento, até mesmo comportamento, é fazer com que essa frase seja o reflexo de uma ação”

Ayla Tapajós, 19 anos

No Programa MAGIS Brasil, o Ser + Consciente está intimamente relacionado à humanização. Nesse contexto, o processo de conscientizar-se abrange três dimensões distintas: Consciência de nós, da realidade e de Deus. Nos depoimentos de Barbara, Ayla e Douglas, percebemos essas dimensões e seu significado na vida de cada um deles.

Em uma sociedade marcada pelo individualismo, pela competição e pela ganância, por vezes, afastamo-nos de nós mesmos e dos outros. Nesse contexto, podemos nos tornar indiferentes à vida, seja a minha, seja a do meu semelhante. Essa realidade é ainda mais dolorosa para os jovens que, se não tiverem apoio da família e de outros atores sociais, podem perder o sentido da vida e, consequentemente, a alegria e o brilho nos olhos que deveriam impulsionar essa fase. “No meio de tanta turbulência na vida de um jovem, no meio de tantas demandas que a sociedade apresenta a ele, o magis inaciano pode auxiliá-lo a se encontrar, a se reconhecer, a entender essas demandas e seus processos”, acredita Barbara, que é assistente social.

Para Ayla, que é estudante de Jornalismo, o mundo digital, com sua produção infinita de informações e notícias, inclusive com o perigo das fake news (notícias falsas), pode ludibriar o jovem que, sem perceber, adota uma postura egoísta e fechada para si e para o próximo. “Para nós, jovens, que vivemos em uma época em que a troca de informações é muito rápida, a Campanha Ser + Consciente é extremamente relevante, pois nos ajuda a refletir a quais conhecimentos estamos dando importância, o que está sendo percebido e o que estamos fazendo para transparecer nas ações a consciência de tudo isso. É uma dinâmica de provocar uma reação na juventude, um despertar. De fazer com que se tenha outra visão do que é ser consciente, mostrar que vai além do que aparenta ser. É questionar a consciência dos jovens e sair da zona de conforto mesmo, de seguir os conselhos do Papa Francisco de ser uma igreja em saída e de sair”, afirma ela.

“Acredito que ser mais consciente me ajuda a amadurecer minha fé, me trazendo mais próximo do Pai e sendo grato, todos os dias, por tudo que Ele oferece”

Douglas Santos, 20 anos

Douglas ressalta outro ponto fundamental da Campanha, o diálogo com Deus. “Acredito que ser mais consciente me ajuda a amadurecer minha fé, me trazendo mais próximo do Pai e sendo grato, todos os dias, por tudo que Ele oferece. Além disso, com certeza, o pensamento, a ação social crítica, tudo fica mais detalhista, pois não temos que aceitar tudo como é, mas, sim, que devemos fazer algo para melhor, não pensando em si mesmo, mas nos outros”, completa o estudante de Comércio Exterior.

À luz da espiritualidade inaciana, Ser + Consciente é contemplar, com o olhar humano, quem sou, onde vivo e qual a minha relação com o Senhor. “As três dimensões do processo de conscientizar-se são muito importantes. Somente conhecendo a si mesmo é possível dar passos e se colocar-se, com qualidade, a serviço do outro. Somente o conhecimento da realidade que nos cerca nos possibilita sair de nossa ‘bolha social e afetiva’ e verificar outros contextos, que são políticos, socioculturais e também religiosos, eclesiais. Nesse sentido, podemos, então, buscar compreender com mais completude a que Deus nos chama nessas realidades que foram experimentadas, em nossa própria vida e em nosso interior humano. A caminhada da conscientização tem essas diferentes camadas que são indissociáveis”, afirma padre Jonas.

CONSCIENTES DOS DESAFIOS SOCIOAMBIENTAIS

Inserida na Campanha Ser + Consciente, temos também a reflexão sobre os desafios socioambientais. Tendo em vista a atual crise social e ambiental que impacta, diretamente, a vida dos jovens, o Programa MAGIS Brasil busca sensibilizar a juventude para o cuidado da Casa Comum, conforme nos pede o Papa Francisco.

Morador do bairro do Mondubim, em Fortaleza (CE), e colaborador do Centro MAGIS Inaciano da Juventude e do Grupo de Trabalho (GT) do Eixo Socioambiental do Programa MAGIS Brasil, Francisco Assis Aquino Bezerra Filho, 26 anos, conhecido como Assis, acredita que a temática socioambiental requer comprometimento, reflexões e compreensões geoambientais e socioculturais. “Acredito que não podemos pensar um ambiente – cidade, bairro, córrego ou praia – política e legislativamente correto, se não pensamos, primeiro, numa mudança de postura cultural frente aos nossos problemas sociais. Vejo, como geógrafo, que os problemas ambientais, exceto os de ordem eminentemente natural, como tsunamis, erupções vulcânicas etc., são, antes de tudo, fruto de fragilidades socioculturais, bem como de explorações e desigualdades socioeconômicas, daí porque reconheço pela definição de problemas socioambientais”, afirma.

Por tudo isso, Assis acredita que o caminho a trilhar pauta-se na formação de jovens, para que, continuamente, ajudem outros jovens e outras realidades. “Não podemos fazer grandes mudanças sozinhos, isolados ou ilhados. Logo o outro caminho é o de trabalhar e articular, em rede, a juventude e os projetos de características socioambientais, pois, assim, o Eixo Socioambiental e o Programa MAGIS ganharão cada vez mais corpo e engajamento, em nível nacional”, ressalta.

“Não podemos fazer grandes mudanças sozinhos, isolados ou ilhados. Logo o outro caminho é o de trabalhar e articular, em rede, a juventude e os projetos de características socioambientais […]”

Assis Filho, 26 anos

Conforme defende Assis, a construção de uma sociedade mais consciente de seu papel para com a Casa Comum passa pela formação das pessoas e, nesse contexto, o jovem tem papel de destaque. Desse modo, o Programa MAGIS deseja oferecer possibilidades de formação à juventude, com o objetivo de favorecer a consciência com relação ao mundo. Como professor de Geografia do Ensino Médio, Assis defende que a educação é fundamental nesse processo. “Nada mais significativo e desafiador do que refletirmos e praticarmos, ou melhor, sermos mais conscientes de que muitas questões e problemas acabam por requerer mudanças no pensar, assim como transformações de atitudes por meio do ensino [educação socioambiental] e de experiências e relações-comunhão [Exercícios Espirituais para jovens, Experiências Magis, Seminários e Fóruns]”, diz Assis.

Segundo Assis, que, atualmente, está cursando doutorado na área de Geografia, o Eixo Socioambiental já tem possibilitado caminhos ou rotas iniciais nessa questão da formação e de experiências de relação-comunhão com a Casa Comum. Nos últimos anos, foram dados passos importantes nesse sentido, por meio de ações concretas. Nesse período, já houve dois Seminários Socioambientais em dois Centros MAGIS, um em Belém (PA) e outro em Fortaleza (CE); a consolidação de um Projeto Socioambiental na Casa MAGIS Teresina (PI); e a produção de documentos norteadores para esse eixo, como a Carta Orientadora e a Carta Relatório dos trabalhos já desenvolvidos. Além disso, outro importante marco foi a realização do primeiro Simpósio Socioambiental, em 2017, na capital paraense.

Baseada no carisma inaciano, a Campanha convoca o jovem para ser mais consciente na questão socioambiental, tendo como missão ajudar na recuperação da relação harmoniosa do ser humano com a natureza. “Acredito que a espiritualidade inaciana, bem como o chamado a Ser + Consciente, é uma forma de exercermos o espírito magis para com nossas relações socioambientais, para que cheguemos ao sentido e sentimento de Comunhão, que simboliza encontro, partilha, diálogo entre o humano e o divino, com a natureza e todos os seus bens disponíveis, assim defino a relação-comunhão”, fala Assis. Para ele, o jovem pode ajudar nessa relação-comunhão de três maneiras: “1) Percebendo que somos orgânicos, bem como grande parte da própria natureza se apresenta; 2) Respeitando as limitações da própria natureza; e 3) Sabendo usar dos bens de consumo de modo equilibrado”.

“Estar aberto ao novo, com respeito e fraternidade, é também um ato de conscientização”

Pe. Jonas Caprini, secretário para Juventude e Vocações da Província dos Jesuítas do Brasil

Por todos esses elementos, a Campanha Ser + Consciente faz um convite para reconhecer-nos no mundo e com o mundo, para, a partir disso, alterar as estruturas que nos impedem de ser mais. Padre Jonas ainda acrescenta que a iniciativa provoca-nos a conhecermos e aproximarmo-nos daquilo que é diferente. Seja uma pessoa, seja um grupo social, seja um argumento. “Estar aberto ao novo, com respeito e fraternidade, é também um ato de conscientização. Somos moldados pelas nossas experiências e somente elas nos oferecem oportunidades de exercitar o discernimento. Encontrar beleza na diversidade, nas margens, no outro. O magis inaciano nos impulsiona a sair de nossas ‘caixas’. O autocentramento nos impele a experimentar o nosso magis, que é fruto da ação de Deus em nossas vidas”, finaliza.

MAGIS Brasil

Você sabe o que é o Programa MAGIS Brasil? O Programa é a ação apostólica da Província dos Jesuítas do Brasil – BRA junto à juventude, que visa articular, conectar e animar uma rede inaciana de jovens pelo País. A missão da iniciativa é oferecer experiências, formação e acompanhamento baseados no serviço da fé e na promoção da justiça, formando homens e mulheres para os demais. E a palavra MAGIS, o que significa? Magis é um termo em latim que significa o mais, o maior, o melhor. Essa palavra, muito utilizada por Santo Inácio de Loyola, quer dizer que sempre podemos nos doar mais em relação àquilo que já fazemos ou vivemos.

Para impulsionar a atuação da Companhia de Jesus com a juventude, o Programa MAGIS é constituído por Centros, Casas e Espaços MAGIS, que estão espalhados por diversas cidades brasileiras. Além disso, o Programa estende sua ação em outros espaços, como igrejas, universidades, movimentos juvenis e todas as fronteiras onde estão os jovens. Quer saber o que é vivenciar o magis inaciano? Assista, abaixo, o vídeo que preparamos para você!

Quer saber mais sobre o Programa MAGIS Brasil? Então, acesse: magisbrasil.com

 

*Esta matéria foi publicada na 43ª Edição do informativo Em Companhia (Abril 2018). Quer ler a edição completa? Então, clique aqui!