CCB sediará curso de Práticas de Justiça Restaurativa

Formação será promovida pelas Escolas de Perdão e Reconciliação

Crédito da imagem: JinyoulLim/Reprodução

O CCB (Centro Cultural de Brasília) sediará a realização do curso sobre Práticas de Justiça Restaurativa, promovido pelas Escolas de Perdão e Reconciliação (ESPERE). A formação é destinada às pessoas que pretendem se especializar no atendimento de práticas de Justiça Restaurativa, habilitando-as a trabalhar em contextos de conflitos e de violência.

Com duração de 180 horas, distribuídos em 3 etapas (abril, maio e junho), o curso destina-se a agentes de Paz, Educadores Sociais, Conselheiros Tutelares, Líderes Comunitários, Servidores Técnicos da Assistência Social, Servidores da Educação e da Assistência às pessoas vítimas da violência doméstica. O curso será facilitado pela equipe especializada e terá orientação de Maria do Socorro Dantas, com formação em Justiça Restaurativa pelo Instituto Internacional de Práticas Restaurativas para a América Latina, em Lima (Peru).

Na formação, os participantes terão a oportunidade de ampliar o conhecimento teórico e prático acerca da Justiça Restaurativa e seus processos, possibilitando a construção de outro entendimento sobre as relações pessoais, institucionais e sociais e outras maneiras de resolver conflitos. O projeto é motivado pela necessidade de levar os voluntários, colaboradores comunitários e operadores da assistência a ter formação suficiente para entender às demandas comunitárias. Assim, essas pessoas poderão buscar nos procedimentos restaurativos respostas efetivas para o estabelecimento de novo paradigma pautado nos direitos humanos fundamentais e na lógica da inclusão, pacificação e harmonização das relações pessoais e institucionais.

A metodologia das Escolas de Perdão e Reconciliação, como fundamento para as práticas das abordagens restaurativas dos Círculos de Justiça Restaurativa – teoria e prática, visa alcançar melhor desempenho das competências dos profissionais.

JUSTIÇA RESTAURATIVA

Há pouco mais de 10 anos no Brasil, a prática da Justiça Restaurativa vem sendo implementada em várias regiões. Atualmente, é possível optar pela solução do conflito via Justiça Restaurativa nos estados do Paraná, Rio Grande do Sul, São Paulo, Bahia, Maranhão e no Distrito Federal.

A técnica busca solucionar os conflitos via diálogo, fazendo o emponderamento das partes, ou seja, os envolvidos passam a interagir de forma constante em todas as etapas da demanda. O objeto do comprometimento das partes é fazer com que elas mesmas cheguem a um consenso, sem a figura de um julgador ou a determinação do certo e do errado. O atendimento às partes é feito por um facilitador, que busca o constante diálogo para solucionar o caso. A prática consiste, inclusive, em possibilitar aos interessados sugerirem o tipo de reparação.

Além da formação em Justiça Restaurativa, pelo Instituto Internacional de Práticas Restaurativas para a América Latina, em Lima (Peru), a orientadora Maria do Socorro Dantas é pedagoga, formada pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN); mestranda em Sistemas de Resolução de Conflitos, pela Universidade Nacional de Zamora (Argentina); especialista em Processos Educacionais e em Abordagem Sistêmica no Contexto de Família e Comunitária. Foi coordenadora das Escolas de Perdão e Reconciliação – ESPERE (2013-2017) e facilitadora das Práticas de Justiça Restaurativa, no Juizado Especial de Violência Contra a Mulher (Fortaleza/ CE).

ESPERE

A metodologia da ESPERE nasceu da experiência dos territórios de paz, em Bogotá (Colômbia), com menção honrosa da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura). Ela oferece uma base de reflexão sobre o impacto das emoções para a saúde física, mental, emocional e espiritual, e propicia aos indivíduos o desenvolvimento de habilidades necessárias para o manejo das emoções, para os processos da comunicação não violenta e para a melhoria das relações interpessoais.

SERVIÇO

Período de realização do curso:

  • 1ª Etapa – ESPERE – 5 a 11 de abril
  • 2ª Etapa – Práticas de Justiça Restaurativa – 2 a 6 de maio
  • 3ª Etapa – Práticas de Justiça Restaurativa – 8 a 12 de junho

Carga horária: 180 horas

Investimento: R$ 1.000,00 para as três etapas *O valor pode ser dividido da seguinte forma: 1 parcela de R$ 400,00 + 2 parcelas de 300,00.

Número de Vagas:30

Obs.: serão fornecidas refeições e lanches.

 

Para informações acesse CCB (Centro Cultural de Brasília).

 

 

Fonte: CCB (Brasília/DF)