3ª Edição do Projeto ‘sobreVIDAS SEVERINAS’

Apresentações teatrais marcaram iniciativa promovida pelo Colégio Antônio Vieira

Em seu terceiro ano de existência, o projeto “sobreVIDAS SEVERINAS”, promovido pelo Colégio Antônio Vieira, mais uma vez mobilizou a comunidade educativa em torno de discussões fundamentais na contemporaneidade. A iniciativa, realizada entre os meses de setembro e outubro, trouxe como temas geradores ao longo das semanas o empoderamento, a violência, a invisibilidade e o belo na nossa sociedade, na perspectiva dos marcadores sociais das diferenças. As atividades foram conduzidas pelo Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre Minorias Sociais (NEIMS) e pela Academia Vieirense de Letras e Artes (AVLA).

Os alunos realizaram apresentações teatrais e musicais, rodas de conversa, exibição de filmes, exposições de arte, oficinas, entre outras ações que sensibilizaram o público ao longo das semanas. “Achei o evento extremamente necessário para todo o Colégio, pelo fato de que ele traz em suas diversas atividades a possibilidade de reflexão sobre as Minorias, além de outras questões sociais”, pontuou a aluna e presidente da AVLA, Luciana Cupertino.

Segundo a articuladora do projeto, prof.ª Marli Sales, a dinâmica das atividades artísticas, debates e de toda a programação do projeto foi pensada para que os temas geradores fossem abordados com o máximo de profundidade. “Eu considero importante destacar que o protagonismo dos jovens é o ponto forte do ‘sobreVIDAS’. São os alunos que se mobilizam, levando como objetivo não só o estudo desses assuntos abordados, mas oportunizando, por meio das várias atividades, a possibilidade da conscientização”, destacou ela.

O formato, desenvolvido em semanas temáticas repletas de atividades artísticas e discussões, foi aprovado pelos alunos que participaram da edição 2017 do projeto. “Tudo foi pensado para realmente tocar e provocar reflexão. A diversidade de ações trazidas ajudou a alcançar o objetivo principal, que é o conscientizar-se”, afirmou a aluna e integrante do NEIMS, Ycla Lopes. Para o estudante Pedro Paulo Muniz, as performances artísticas marcaram de uma forma especial a programação. “É impressionante perceber como a arte consegue trazer críticas tão importantes para todas as pessoas. Participar disso tudo foi uma experiência incrível”, concluiu ele.

 

Fonte: Colégio Antônio Viera (Salvador/BA)