Trio feminino vence edital de música do Medianeira

Trabalho intimista e reflexivo do grupo UMA se destacou no projeto Nossa Música

O projeto musical UMA, formado pelas cantoras Nani Barbosa, Janaína Fellini e Thayana Barbosa, foi o vencedor do edital Medianeira Nossa Música 2017. Com trabalho intimista e reflexivo, o trio faz um mergulho, por meio da música, na arte como disparador de uma transformação social, além de ter o caráter de ‘reconhecimento do fazer musical feminino’.

Para Martinha Vieira, responsável pelo Centro de Artes e uma das idealizadoras do edital promovido pelo colégio jesuíta, o UMA foi escolhido pelas qualidades artísticas do projeto e pelo diálogo com a premissa da formação de homens e mulheres capazes de fazer do mundo um lugar melhor.

O UMA também simboliza a confluência das histórias pessoais e artísticas das três integrantes, evidenciando o universo feminino em sua contemporaneidade e ancestralidade. Segundo a cantora Janaina, a arte é um instrumento fundamental de sensibilização e de reconhecimento. “Isso acontece por meio do encontro do universo sonoro, de vida, de busca de três mulheres que trabalham, se descobrem e se integram tanto em seus universos quanto na vida em sociedade”, comenta.

Martinha compartilha da opinião e relembra que, além de toda a bagagem artística, o projeto UMA carrega uma forte alma poética. “Esse é um momento oportuno para aprofundar a questão e uma das razões da arte é justamente fazer a provocação para que o ser humano se pense, se veja e se coloque no lugar do outro”, define e completa: “o UMA traz isso de uma forma muito intensa”.

O trabalho produzido por Nani, Janaína e Thayana é completamente autoral e é fruto de pesquisa e criação musical, originando um resultado múltiplo e criativo.

Pluralidade

O edital Medianeira Nossa Música é uma iniciativa de fomento à cultural e que, desde 2012, tem dado apoio à produção autoral. Em cinco anos de história, a iniciativa já apoiou o grupo Fato, a cantora Juliana Cortes, o cantor, compositor e produtor Fred Teixeira, e os grupos Braseiro e Sincopé.

Para Martinha, os artistas que formam o painel de apoio do Medianeira são um reflexo do compromisso do Colégio com a pluralidade que caracteriza a cultura brasileira. “São trabalhos que fogem do entretenimento, que têm um quê inquietante. São propostas desestabilizadoras de certezas e do que está cristalizado”, explica a educadora.

Em 2017, o Colégio Medianeira recebeu 21 inscrições de artistas de diversos estilos musicais.

 

Fonte: Colégio Medianeira (Curitiba/PR)