Indígenas peruanos batizam hectares da Amazônia com o nome do Papa Francisco

Homenagem é um reconhecimento à preocupação do Pontífice com o meio ambiente

Batizada com o nome de Nihii Eupa Francisco (Floresta Papa Francisco, na língua nativa da etnia amahuaca) território se encontra na comunidade nativa de Boca Pariamanu (Peru)

Uma comunidade indígena do Peru decidiu batizar 1.800 hectares da Amazônia com o nome do Papa Francisco. Para os índios, a iniciativa é uma forma de reconhecer à preocupação do Pontífice com o cuidado da Casa Comum, ou seja, com a preservação do meio ambiente em meio as mudanças climáticas, anunciou o Ministério do Ambiente do Peru, no dia 18 de dezembro.

A Nihii Eupa Francisco (Floresta Papa Francisco, na língua nativa da etnia amahuaca) se encontra na comunidade nativa de Boca Pariamanu, situada na região de Madre de Dios, cuja capital Porto Maldonado (Peru) receberá o Pontífice no próximo dia 19 de janeiro.

Nessa visita, os nativos entregarão ao Papa a ata da assembleia onde decidiram dar à floresta o nome do Pontífice, para que conheça as ações de proteção e conservação das florestas realizadas pelos membros da comunidade indígena. A comunidade de Boca Pariamanu é formada por 180 habitantes agrupados em 20 famílias e é a única comunidade de Madre de Dios da etnia amahuaca.

A floresta na qual este grupo vive conta com uma grande beleza natural e serve de lar para espécies como harpias, onças-pintadas, antas, macacos-aranhas, queixadas e veados, além de concentrar árvores como o castanheiras, cedros e mognos.

Além de Porto Maldonado, o Papa Francisco visitará Lima e a cidade nortista de Trujillo durante a estadia no Peru, entre 18 e 21 de janeiro. Antes, ele viajará ao Chile.

 

Fonte: EFE/O Estado de S. Paulo

Foto: AFP