Bento XVI recebe dissertação produzida na Unicap

Estudo faz um mergulho na produção de Ratzinger, um dos grandes teólogos da Igreja

O diretor do Centro de Teologia e Ciências Humanas da Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), professor doutor Degislando Nóbrega, teve uma grata surpresa ao ver um trabalho de dissertação orientado por ele ser entregue em mãos ao Papa Emérito Bento XVI, no Vaticano. A pesquisa intitulada A Igreja-Povo de Deus na perspectiva teológica de Joseph Ratzinger: uma eclesiologia a partir do retorno das fontes é de autoria do padre Emerson Mozart da Silva. Ele defendeu a dissertação pelo mestrado em Teologia da Unicap, no dia 9 de outubro.

O estudo faz um mergulho na produção daquele que é considerado um dos grandes teólogos do século XX: Joseph Ratzinger, o Papa Bento XVI. Professor Degislando conta que Ratzinger participou do Concílio Vaticano II na condição de assessor do então Cardeal Frings, seu compatriota alemão. “O desempenho foi tão bom que ele terminou o Concílio na condição de um dos seus peritos. Isso foi um reconhecimento ao seu trabalho teológico.”

“O tratamento eclesiológico é muito caro ao teólogo Papa Emérito. Emerson buscou compreender esse conceito-chave de Ratzinger e do próprio Concílio Vaticano II”

Degislando Nóbrega, professor da Unicap e orientador da dissertação

A dissertação de padre Emerson aborda ainda o conceito de compreensão do que é a Igreja a partir da obra do Papa Emérito O Novo Povo de Deus. “O tratamento eclesiológico é muito caro ao teólogo Papa Emérito. Emerson buscou compreender esse conceito-chave de Ratzinger e do próprio Concílio Vaticano II”, ressalta Degislando.

O orientador explicou ainda que a pesquisa retornou às escrituras sagradas e aos chamados ‘pais da Igreja’, que são as grandes figuras da Igreja nos primeiros sete séculos do Cristianismo a exemplo de Santo Agostinho, Tertuliano, Cipriano e Irineu. Além de Degislando, a banca examinadora contou com a participação do frei capuchinho Luiz Vieira e do coordenador do curso de Teologia da Unicap, professor doutor Sérgio Douets Sezino.

Confira a entrevista com padre Emerson Mozart sobre esse encontro especial:

O que o motivou a adotar a temática para sua dissertação?

Já no período da graduação em Teologia – na Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Caruaru (FAFICA), enquanto estava no Seminário – a disciplina de Eclesiologia foi uma das que mais me encantou. Paralelo a isso está a Teologia desenvolvida por Joseph Ratzinger (Papa Emérito Bento XVI), que é, de fato, uma Teologia que alimenta. Ele se destacou no Concílio Vaticano II como perito em teologia e, no pós-concílio, contribuiu significativamente com o desenvolvimento e aprofundamento da Eclesiologia. Seu amor e fidelidade à Igreja foram decisivos para a escolha do tema A Igreja-Povo De Deus Na Perspectiva Teológica De Joseph Ratzinger: Uma Eclesiologia Do Retorno às Fontes.

Como foi a articulação para o senhor entregar o trabalho em mãos ao Papa Bento XVI? Foi no Vaticano mesmo?

Foram várias as tentativas, mas só quando estávamos em Roma (Itália), no dia 15 de outubro, para a Canonização dos protomártires do Brasil, que conseguimos por intermédio do cardeal Tarcisio Bertone, secretário de Estado do Vaticano no pontificado de Bento XVI. Ele comunicou ao meu bispo, dom Bernardino no dia 16. Dia 17 foi o encontro com o Papa.

O senhor estava acompanhado de alguma outra autoridade eclesial?

Do senhor bispo de Caruaru, dom Bernardino Marchió.

Qual foi a sensação que o senhor teve nesse encontro com o Papa Bento XVI?

Muita emoção, alegria e um grande sentimento de respeito e reverência por tudo o que ele representa para a Igreja e para mim particularmente. Na verdade, foi um momento indescritível. A humildade, docilidade e mesmo santidade do Papa Emérito impressiona quando a gente sente isso tudo de perto. Sua lucidez, não obstante a idade avançada de 90 anos, também me encantou.

Qual foi a reação de Bento XVI ao ver o trabalho? Teceu algum comentário? Ele leu antes?

Ficou surpreso com o volume, gostou muito de saber que foi produzido num curso da Católica do Recife. Ficou feliz porque, também por aqui, há interesse no estudo de sua obra. Ficou surpreso também com minha idade. Disse ainda: “Bravo!” e repetiu por três vezes: “Così Giovane!” (Muito bem, assim tão jovem!).

 

Fonte: Unicap (Recife/PE)