Em Porto Alegre, Pe. Arturo Sosa é recebido no Colégio Anchieta


Nesta sexta-feira (27), o padre Arturo Sosa deu início a sua agenda no Rio Grande do Sul com uma visita ao Colégio Anchieta, em Porto Alegre. O Superior Geral da Companhia de Jesus foi recebido pela comunidade educativa da instituição, no Auditório do Prédio B. Acompanhado do Assistente Regional dos Jesuítas da América Latina, Pe. Claudio Paul, que é ex-aluno do Anchieta, Pe. Sosa conversou com a equipe diretiva, profissionais da instituição e pais de alunos. Também estiveram presentes na ocasião o Provincial do Brasil, Pe. João Renato Eidt, e o Superior da Plataforma Apostólica Sul 2, Pe. Luiz Neis.

Após o momento de espiritualidade, o Diretor Geral do Colégio, Pe. João Claudio Rhoden, apresentou um panorama geral da instituição, com dados sobre estrutura física e quadro de colaboradores e número de alunos. O Diretor Acadêmico, Dário Schneider, apontou alguns projetos e desafios da área acadêmica, como a implantação do Projeto Educativo Comum (PEC), a Liderança Inaciana, o Sistema de Qualidade de Gestão Escolar da FLACSI e a educação integral, entre outros.

Pe. Arturo Sosa iniciou questionando o grupo sobre o tempo de permanência na instituição e as vantagens de fazer parte da Rede Jesuíta da Educação. Entre as respostas dos presentes, destacou-se que fazer parte da RJE permite que os colégios criem identidade, movimentem-se em torno do que é solicitado pela Companhia de Jesus e pela Igreja Católica, e ainda se aproximem de diversas realidades em vista da educação integral, possibilitando o compartilhamento de ideias e práticas.

O Superior Geral contou aos presentes sobre sua participação no JESEDU-Rio2017, Congresso Internacional dos Delegados para Educação Básica, realizado entre os dias 16 e 20 de outubro, no Rio de Janeiro (RJ). Segundo ele, foi uma experiência que possibilitou encontrar pessoas e realidades do mundo todo. Pe. Arturo Sosa destacou assuntos tratados como o trabalho com os refugiados, que hoje já somam milhões em todo o mundo. Considerando que eles passam em média 17 anos nos campos de refugiados, a Companhia de Jesus acredita ser importante possibilitar um sistema educativo que possa lhes dar um futuro melhor.

Outro ponto abordado pelo Padre Geral foi como preparar os alunos para a vida. Conforme disse, além de uma boa gestão de um colégio, é preciso pensar, experimentar e equivocar-se. “Ninguém nasce sabendo, temos que aprender fazendo, sem ter medo de errar”, sugeriu, referindo-se às práticas pedagógicas adotadas pelas instituições. O que significa um grande desafio, uma vez que é preciso seguir um modelo pedagógico que mantenha contato constante com a realidade.

O Superior Geral refletiu ainda sobre a cultura do mundo digital, que vem mudando as relações e a comunicação entre as pessoas, abrindo muitos desafios no campo da inovação na educação. Segundo ele, quando a Companhia de Jesus iniciou seu trabalho na educação, inventou-se uma nova forma de educar, juntando distintas correntes de pensamento humanístico com a proposta da fé cristã. “O que importa é manter a tradição da proposta educativa, preparando os alunos para viver em um mundo que muda profundamente, desenvolvendo sua capacidade de pensar”, pontuou.

Pe. Arturo Sosa também falou sobre a necessidade de se trabalhar com as vocações docentes, para que, daqui alguns anos, se tenha professores imbuídos nessa missão de educar para o futuro. Ele ainda manifestou sua satisfação em relação ao encontro do JESEDU, reforçando a importância da construção de uma rede global de colégios jesuítas. “Saí muito animado do encontro ao ver que o corpo educativo da Companhia de Jesus está vivo. Quanto mais nos comunicamos, mais nos ajudamos. Que possamos caminhar juntos!”, completou.

Fonte: Comunicação do Colégio Anchieta (Porto Alegre-RS)

Fotos: Comunicação do Colégio Anchieta (Porto Alegre-RS)