Pe. Geral destaca importância do “pensar” para a construção do Bem Comum


O Superior Geral da Companhia de Jesus, padre Arturo Sosa, encerrou sua estada de três dias em Belo Horizonte (MG) com uma conferência proferida no auditório Dom Luciano Mendes de Almeida, na Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia (FAJE), na manhã desta segunda-feira (23). Em sua apresentação, durante uma hora, o Padre Geral abordou o tema Pensar bem para construir, juntos, o Bem Comum.

A conferência foi acompanhada pelo Provincial dos Jesuítas do Brasil, Pe. João Renato Eidt, e pelo reitor da FAJE, Pe. Álvaro Mendonça Pimentel. Na plateia, prestigiaram a apresentação alunos, professores e funcionários da FAJE, representantes das várias obras da Companhia de Jesus em Belo Horizonte e de instituições de ensino católicas, entre outros interessados em conhecer o Padre Geral e ouvir suas palavras.

Em sua conferência, Pe. Arturo Sosa fez uma ampla e profunda reflexão sobre a importância do pensar, que é próprio do apostolado intelectual desempenhado pelas Instituições Superiores de Ensino católicas, e sua relação com a construção do Bem Comum. Segundo o jesuíta, “a capacidade dessas instituições de criar pensamento orientado para a formulação de um sistema de ideias, para o desenvolvimento sustentável, e transmitir conhecimento de uma maneira adequada à sensibilidade de gerações mais jovens, para formar construtores de novos caminhos e pensadores independentes, as coloca em uma condição privilegiada para contribuir a orientar a globalização na direção da humanização da história”.

Prosseguindo, ele fez uma reflexão sobre o significado do “pensar”, destacando que trata-se de uma atividade plenamente humana e compromete todo o ser humano em uma forma complexa. “Através do pensamento se constroem as relações, diante das quais, os seres humanos produzem e reproduzem sua própria existência pessoal e coletiva. Pensar não se limita ao uso adequado da racionalidade. O pensar humano compromete a sensibilidade, os sentimentos, a capacidade criativa, a necessidade de escolher entre alternativas possíveis, fazendo uso responsável da liberdade. Mas o pensar que queremos é um pensar com uma qualidade especial: um pensar que tem sede de profundidade”, assinalou o Pe. Geral.

Pe. Arturo, então, lembrou que a 36ª Congregação Geral da Companhia de Jesus, realizada em outubro de 2016, definiu que os Jesuítas não optam por propor uma esperança simplista: “Nossa contribuição deve distinguir-se pela profundidade; uma profundidade na interiorização, e uma profundidade na reflexão que nos permita compreender a realidade e nos leve a sermos mais eficazes no serviço”. Para isso, a Companhia de Jesus deve buscar caminhos para oferecer aos jesuítas em formação, uma preparação intelectual sólida, ajudando-os, igualmente, a crescer em sua integração pessoal.” Ao final, o Superior Geral da Companhia de Jesus foi muito aplaudido pela plateia.

Fonte: Graziela Cruz, coordenadora de Comunicação da FAJE

Fotos: Comunicação da FAJE