Colégio São Luís promove roda de conversa

Ocupação feminina no espaço público foi o tema do encontro

Por meio do Projeto de Vida, todas as séries do Colégio São Luís possuem um trabalho em torno dos eixos Vida Saudável (temas como autoconhecimento, espiritualidade, sexualidade, saúde, boas escolhas) e Vida em Sociedade (ética, meio ambiente, consumo, bullying, entre outros). Nessa perspectiva, a 2ª série do Ensino Médio participou de uma roda de conversas com quatro mulheres, que trouxeram contribuições complementares à questão da ocupação feminina do espaço público.

Alessandra Almeida falou sobre o tema que estuda – violência contra mulheres – e observou a intersecção de gênero, raça e renda em suas análises. Veridiana Campos também trouxe uma visão acadêmica, focada na presença feminina em espaços de poder e na vida profissional.

A artista plástica Ana Teixeira contou sobre como é ficar exposta num lugar público para ter a participação das pessoas em interversões artísticas, como na ação Troco sonhos, em que dava um doce ao escutar uma revelação. Magô Tonhon tem uma luta pela aceitação das mulheres transexuais e provocou os alunos a observarem os espaços públicos em seu bairro: por que frequentam (ou não) tais lugares? Segundo ela, “vivemos numa cidade de muros”.

“São atividades como essa, e conversas com pessoas diferentes, que fazem com que a gente fique mais atento para identificar atitudes de preconceito”, diz a aluna Marina Celani, que tem uma visão otimista: “Minha geração está mais aberta, consciente e se respeita mais”.

Um trabalho bem maior

A roda de conversa foi a finalização de um trabalho realizado no decorrer do 2º trimestre, envolvendo diretamente seis componentes curriculares. “Iniciamos pelo estudo da contribuição feminina às Ciências, a partir do exemplo da polonesa naturalizada francesa Marie Curie, pioneira nas pesquisas sobre radioatividade”, conta a professora de Química Wanda Lucas. “Como avaliação diversificada, os estudantes realizaram, semanalmente, um fichamento sobre uma mulher notável na academia ou nas artes.”

Complementando o tema, em Inglês, os alunos estudaram um artigo sobre os efeitos da radioatividade ao corpo, a partir do caso de mulheres que desenvolveram câncer por trabalhar numa fábrica de relógios e ter contato com o elemento “Rádio” no processo. Para as aulas de Produção de Texto, os alunos assistiram ao filme Ágora (Direção: Alejandro Amenábar, 2009), que conta a história de Hipátia de Alexandria, a grega que ousou lecionar Matemática, Filosofia e Astronomia, entre os anos 355 e 415, uma época que mulheres não podiam ter acesso ao conhecimento.

Outros três componentes curriculares envolvidos com o tema foram Sociologia, Filosofia e Ensino Religioso, que têm um planejamento conjunto e debateram a presença da mulher nos espaços públicos – assunto que remete diretamente à roda de conversa ocorrida no início de setembro.

 

Fonte: Colégio São Luís (São Paulo/SP)