Alunos da Unicap participam de voluntariado universitário

Iniciativa é resultado de uma parceria entre a instituição jesuíta e o programa MAGIS Brasil

Durante o mês de julho, 20 alunos da Universidade Católica de Pernambuco (Unicap) tiveram um período de férias pouco convencional. Espalhados pelas cidades de Natal (RN), João Pessoa (PB) e Vazantes (CE), o grupo de universitários participou do Voluntariado Universitário Unicap (VOU), realizado por meio do Instituto Humanitas em parceria com o Programa MAGIS Brasil. Integradas a programação das Experiências MAGIS, os três pontos de voluntariado tiveram em comum a possibilidade de contato com outra cultura, de ajuda ao próximo, de autoconhecimento e de busca pela construção de um mundo melhor.

Para Cecília Cristina Vieira de Melo, 20 anos, estudante de Publicidade e Propaganda, que participou da Experiência em João Pessoa, “o Programa VOU é muito mais do que apenas ajudar os outros, é também se conhecer, se perceber”. Segundo Luciana Sabino, 21 anos, aluna do curso de Ciências Econômicas, “saio dessa semana mais observadora, humilde, atenciosa e gostaria que todos tivessem a oportunidade de sentir o que estou sentindo agora no fechamento desse ciclo”.

Nas terras paraibanas, os voluntários desenvolveram atividades junto às crianças carentes, visitaram idosos e também realizaram ações comunitárias na comunidade de Salinas Ribamar, que está inserida em uma área de mangue, agora poluído devido ao crescimento desenfreado e irresponsável das cidades. Essa realidade mostrou para os alunos novas perspectivas, tal como afirma Sandrely Lima, 23 anos, graduanda em Fotografia: “Durante toda a semana em que estivemos juntos realizando atividades foi-se descobrindo e despindo realidades que até então não havíamos tido contato próximo. Acredito que nenhum de nós voltaremos para casa com o mesmo pensamento em relação à vida, as pessoas e aos sentimentos”.

Um dos objetivos do VOU é oferecer aos universitários a possibilidade de novos aprendizados que vão para além dos conteúdos trabalhados em sala de aula. Assim, declara Ana Gabriela, 17 anos, aluna do curso de Jornalismo: “participar do VOU foi um aprendizado inigualável. Além da formação acadêmica, a formação humana é tão necessária quanto para sermos boas pessoas e até mesmo bons profissionais”.  Silas Ventura, 23 anos, graduando em Direito diz que “essa experiência não é apenas uma experiência do ‘dar’, mas sim do ‘receber’. Porque quando pensamos em ser voluntários, achamos que iremos levar muitas coisas novas para tal comunidade, mas na verdade somos nós quem trazemos de volta, em nossa bagagem, o carisma, a fé e os sonhos dos outros”.

Em Natal, os voluntários colaboraram com o Instituto de Educação Infantil Bom Pastor, dirigido pelas Irmãs do Bom Pastor de Quebéc, e também tiveram a oportunidade de iniciar o seu Projeto de Vida. Para Letícia Mendes, 19 anos, estudante de Arquitetura, a experiência “me ajudou como pessoa, a parar para refletir, escutar, analisar, pensar, a ver minha vida com outros olhos, com outra perspectiva. Me fez pensar sobre família, carreira, amizade, convívio, perspectivas de futuro, um autoconhecimento”.

As inserções promovidas pelo VOU também possibilitam a experiência de conviver com outros durante alguns dias. Diversos aprendizados como controle e inteligência emocional, relacionamento interpessoal, capacidade de resolução de problemas e comunicação também são desenvolvidos. “Ser colocado em uma casa distante da sua, com pessoas completamente diferentes de você foi o ponto principal da experiência para mim. Viver dilemas de toda natureza, criar laços, gestar intrigas, tudo isso fez parte de meus últimos dias e com certeza eu saio dessa experiência muito mais crítica, completa e paciente”, afirma Dara Almeida, 20 anos, graduanda em Filosofia.

O VOU é de fato uma maneira de extrapolar fronteiras e culturas. Na experiência em Vazantes, no Ceará, além do contato com a comunidade e do trabalho voluntário em parceria com Fé e Alegria, os voluntários da Unicap conviveram com estudantes espanhóis das universidades jesuítas de Deusto e Comillas.

Nessa experiência, no interior do Ceará, os voluntários não somente ajudaram, mas também aprenderam com a comunidade e sua acolhida. Brenda Barros, do curso de Física, partilhou: “pude entender que o que eu estava fazendo era tão lindo que ia além de um simples trabalho, eu estava aprendendo com eles e ensinando ao mesmo tempo e é assim que o processo de ‘escola’ realmente deve ser”.

 

Fonte: Programa MAGIS Brasil