Alunos da Unicap criam aplicativo contra a dengue

Após premiação internacional, jovens foram recebidos pelo governador do estado de PE

Os alunos do primeiro período de Jornalismo e Psicologia da Unicap (Universidade Católica de Pernambuco), Jeovani Cipriano e Ingrid Holanda, que criaram um aplicativo contra a dengue, receberam o reconhecimento do estado de Pernambuco. No dia 5 de julho, os jovens foram recebidos pelo governador Paulo Câmara, no Palácio do Campo das Princesas (foto abaixo).

O aplicativo foi criado quando eles ainda eram alunos da escola de referência em Ensino Médio desembargador Renato Fonseca. O trabalho do grupo, formado por mais sete estudantes, foi apresentado em algumas feiras de tecnologia no estado, a exemplo do Ciência Jovem. Em junho, o projeto ficou em primeiro lugar em um evento de tecnologia realizado em Assunção, capital do Paraguai.

Jeovani Cipriano, idealizador do aplicativo de nome Caça ao Aedes em Jardim Brasil, explicou a utilidade da ferramenta: “A proposta do aplicativo é, principalmente, ajudar a população. Chegou uma época que nós recebíamos muitas demandas de denúncias na própria escola, por isso o aplicativo ajudou todo mundo a denunciar onde tinha focos do mosquito, além de informar os usuários sobre sintomas, tratamento e todas as informações a respeito das doenças transmitidas. É muito gratificante ver um projeto que nasceu em Jardim Brasil (bairro de Olinda/PE) tomar o reconhecimento local e agora ser reconhecido nesta proporção”.

Francisco Junior, gestor da escola desembargador Renato Fonseca, relembrou o início dessa trajetória que proporcionou aos jovens conquistas inesperadas. “No finalzinho de 2015, o trabalho dos meninos teve início com um jornal on-line. No ano seguinte, em 2016, teve uma repercussão muito boa devido às reportagens que eles produziam e colocavam no site. Depois disso, eles fizeram algumas pesquisas na comunidade e perceberam algumas dificuldades, como ausência de alguns alunos na escola por conta de dengue, chikungunya e zika”, afirma.

“A pesquisa culminou em um artigo científico e eles resolveram criar um aplicativo que pudesse ajudar a comunidade a denunciar os focos. Na medida que eles criaram esse aplicativo tiveram reconhecimento de vários outros órgãos com secretaria de saúde municipal, estadual e até o Ministério da Saúde. Eles participaram do Ciência Jovem e conseguiram o prêmio de destaque Pernambuco, o que levou eles para fora do país. Ficamos muito felizes porque é um trabalho que ultrapassa os muros da escola e ajuda a comunidade”, finaliza o gestor.

Desde o início, o projeto foi orientado pela professora Jorgecy Cabral, que compartilhou a alegria deste momento. “Eu me sinto muito honrada por estar acompanhando essa equipe que fez e continua fazendo um trabalho que mudou a realidade daquele bairro onde está inserida a escola”. Em 2018, os alunos levarão o projeto até o México para outra feira de caráter global. Eles serão os únicos representantes brasileiros no evento.

Fonte: Universidade Católica de Pernambuco (Recife/PE)