Preparação para o ENEM no Colégio Loyola

Alunos da 2ª série do Ensino Médio receberam dicas em relação ao exame

Começar uma prova pela primeira questão e seguir até a última pode não ser a melhor conduta na prova do ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio). Segundo o professor de Matemática do Colégio Loyola, Raphael Xanchão, montar uma boa estratégia para fazer a prova, planejar e dedicar-se aos estudos é fundamental para alcançar a nota desejada. “As notas no ENEM são calculadas por meio da Teoria de Resposta ao Item (TRI), metodologia que avalia não só o conhecimento dos alunos, mas também a coerência e consistência dele na hora do exame”, explica.

Essa e outras dicas foram apresentadas aos alunos da 2ª série do Ensino Médio do Colégio Loyola, no dia 12 de julho. Os estudantes irão fazer o ENEM somente em 2018, mas já estão aprendendo que autoconhecimento é muito importante para responder às questões, sejam elas de matemática, linguagens e códigos, ciências da natureza ou ciências humanas. “O que é bom para um pode não ser o melhor para o outro. Como está em jogo também a coerência, o aluno deve conhecer o próprio perfil, suas facilidades e dificuldades. É necessário fazer uma espécie de varredura da prova, antes de começar a responder questões que estão de acordo com a estratégia estabelecida previamente”, disse o professor. Ele lembra também que a melhor forma de descobrir as próprias características é praticando com as edições anteriores da avaliação.

De acordo com a análise dos mecanismos estatístico que avaliam a proficiência do candidato, um estudante que acerta mais questões fáceis e intermediárias, de forma consistente, pode ter uma nota maior do que aquele que acerta (às vezes por sorte, no “chute”) as questões mais difíceis, mas erra muitas perguntas consideradas mais simples. “A prova é longa, e o tempo é curto, daí a importância de haver esse planejamento para o momento em que estiver fazendo a prova”, finaliza Xanchão.

Nos dias 13 e 14 de julho, o Colégio realizou dois simulados. Para o coordenador de série, Carlos Freitas, é uma oportunidade para que os alunos façam os exames já considerando não só o conteúdo, mas também as dicas apresentadas na palestra. O objetivo é chegar a 2018 com mais calma, maturidade e tranquilidade para enfrentar essa etapa tão importante.

 

Fonte: Colégio Loyola (Belo Horizonte/MG)