Aulas do 2º Módulo da Especialização em Juventude têm início

Conceito de juventude nas políticas públicas e nas ações coletivas foi o tema da aula inaugural

No dia 3 de julho, iniciou-se o segundo módulo da Especialização em Juventude. A aula inaugural foi ministrada pelo professor Luís Antônio Groppo, doutor em Ciências Sociais, professor da Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL-MG) e autor dos livros como Uma onda mundial de revoltas- movimentos estudantis de 1968, Juventude: Ensaios sobre sociologia e história das juventudes modernas, dentre outros títulos.

Groppo retomou as concepções clássicas de juventude, a partir da sociologia que abordou a juventude como uma fase determinada biologicamente, com caráter transitório e propedêutico. O professor também enfatizou os diferentes signos de juventude presente nas políticas públicas dos últimos governos: jovens vulneráveis, jovens em transição e jovens como sujeito de direitos, etc.

Para o professor, as ações coletivas encabeçadas por jovens e desencadeadas a partir de junho de 2013 apresentaram novas formas de organização juvenil, ancoradas na horizontalidade, na autogestão e na ampla participação. Elas podem ser entendidas como “sintomas”, cuja interpretação ajudaria a revelar do que os jovens sofrem e o que desejam. As diversas manifestações juvenis têm colocado em evidência a crise de credibilidade do sistema político de representação, a insatisfação diante dos limites das políticas sociais e os limites das políticas públicas de juventude.

Os estudantes da Especialização seguem em aulas até o dia 21 de julho. Neste módulo, as disciplinas são ministradas pelo professor Juarez Dayrell e pela professora Regina Novaes, duas referências importantes nos estudos de juventude no país. O curso, que está em sua nona edição, é promovido pela Rede Brasileira dos Centros e Institutos em Juventude, em parceria com a FAJE (Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia), e, atualmente, coordenado pela equipe do Centro MAGIS Anchietanum.

A iniciativa surgiu a partir da identificação das demandas e desafios que emergem da prática cotidiana com os jovens nas atividades educativas formais e não formais, assim como na evangelização de jovens. O curso é resultado de um reconhecimento da crescente importância que essa categoria social assumiu a partir do início do século XX, ganhando cada vez mais relevância para compreender as sociedades modernas, seu funcionamento e suas transformações.

 

Fonte: Centro MAGIS Anchietanum (São Paulo/SP)