Col. Anchieta e Associação de Pais e Mestres lançam filme

Média-metragem aborda os riscos do envolvimento dos jovens com o álcool

Imagine a cena: pai e mãe são acordados no meio da noite com o telefone tocando. É a polícia. Sobressaltados, descobrem que a filha está alcoolizada e que não tem condições de voltar para casa sozinha. Infelizmente, esse é um retrato do envolvimento de jovens com bebidas alcoólicas. O episódio descrito foi representado no filme Art. 243, uma produção da Associação de Pais e Mestres (APM) e da Rede de Pais do Colégio Anchieta, de Porto Alegre (RS), em parceria com o projeto Cinema na Escola, que contou com o apoio do Ministério Público do Rio Grande do Sul, do Departamento Estadual da Criança e do Adolescente (DECA), da doutora Márcia Surdo Pereira e da psicanalista Rosane Marocco.

O lançamento do filme, que foi produzido em regime de oficina, aconteceu no dia 20 de junho, na sede do Ministério Público, com a presença de pais, alunos e educadores dos Colégios Anchieta, Marista Rosário, Rainha do Brasil, Monteiro Lobato, além de representações de escolas públicas, todos participantes do Fórum Permanente de Prevenção à Venda e ao Consumo de Bebidas Alcoólicas por Crianças e Adolescentes.

Na ocasião, o diretor geral do colégio, padre João Claudio Rhoden, ressaltou a importância da parceria entre família e escola, contando com a presença ativa dos órgãos públicos e da sociedade civil para que o cuidado, a proteção e a segurança de nossas crianças, adolescentes e jovens, sejam efetivos. “Acreditamos que, por meio de ações coordenadas entre as políticas educacionais e as instituições sociais, poderemos construir uma educação humana integral, que contemple todas as dimensões da pessoa, indo muito além dos conhecimentos acadêmicos”, ponderou.

“Acreditamos que, por meio de ações coordenadas entre as políticas educacionais e as instituições sociais, poderemos construir uma educação humana integral, que contemple todas as dimensões da pessoa, indo muito além dos conhecimentos acadêmicos”

Pe. João Claudio Rhoden, diretor geral do Col. Anchieta (RS)

A plateia assistiu, em primeira mão, ao filme, que tem como fio condutor o Artigo 243 do Estatuto da Criança e do Adolescente que responsabiliza quem vende, fornece, serve, ministra ou entrega bebidas alcoólicas a crianças ou a adolescentes, prevendo uma pena de dois a quatro anos de detenção e pagamento de multa. Na história, um casal é acordado no meio da noite com uma ligação da polícia avisando que a filha estava embriagada e fora encontrada na rua. A partir disso, a família tem que lidar com a situação, passando pela problemática de encontrar o culpado, além da dificuldade implicada pela fase de vida da garota e de pensar em quais as atitudes que podem ser tomadas.

Após a exibição do filme, o representante da APM do Colégio Anchieta, Eduardo Dias, mediou um debate com o corregedor-geral do Ministério Público, Ivan Saraiva Melgaré, a delegada diretora do DECA Adriana Regina da Costa, a pediatra Denise Leite Chaves e o psiquiatra Thiago Gatti Pianca.

A coordenadora do Serviço de Orientação Educacional do Colégio Anchieta, Isabel Tremarin, que encabeçou o movimento e desafiou a equipe para produção do filme, destacou a atuação do grupo de pais da APM nessa tarefa. “É um filme feito de pais para pais e é muito importante destacarmos o papel da Rede de Pais do Colégio. A dedicação e o empenho dessas pessoas mostram o amor pelo Colégio Anchieta e isso faz uma diferença enorme no trabalho que realizamos”, garantiu.

Clique aqui e assista o filme.

Fonte: Colégio Anchieta (Porto Alegre/RS)