SARES levará projeto para assentamento indígena


A equipe do SARES (Serviço Amazônico de Ação, Reflexão e Educação Socioambiental), com o objetivo de acompanhar, servir e incidir na educação popular diferenciada de lideranças locais e comunitárias, levará para o assentamento indígena e não-indígena Sol Nascente, localizada na zona norte da cidade de Manaus (AM), o projeto Aprendizagem Socioambiental para uma Ecologia Integral.

A iniciativa será aplicada na comunidade a partir das experiências concretas, encarnadas e inspiradoras da vida cotidiana amazônica, dentro dos marcos temáticos da Igreja Católica Ecumênica e da Província dos Jesuítas do Brasil – BRA.

A princípio, a equipe realizará visitas na comunidade para ouvir suas demandas e necessidades; coletar dados e partilhar dos saberes das pessoas, com o intuito de gerar uma troca de conhecimentos e sensibilização, ampla e aberta, sobre temáticas socioambientais, modos de vida amazônicos e valorização dos conhecimentos tradicionais. Além de criar um diagnóstico e uma cartografia social.

O trabalho do SARES tem como objetivo motivar e despertar para o compromisso e o cuidado da Amazônia, mediante uma troca de aprendizagem que contribua para a sociedade do Sumak Kawsay [leia mais abaixo]. A iniciativa também ajudará a descobrir alternativas de transformação e harmonização na relação com as pessoas (Cidadania) e com a natureza (Florestania, que tem como significado cidadania na floresta).

ASSENTAMENTO SOL NASCENTE

O assentamento Sol Nascente surgiu da necessidade de oferecer um lugar para servir de abrigo aos membros da etnia Kaixana, originários de Santo Antônio do Içá, no rio Alto Solimões, há 333 km de Manaus, capital do Amazonas. Algumas pessoas de outras etnias se juntaram com o mesmo propósito e desejo de constituir uma sede dentro da capital. Assim, o Assentamento teve início em junho de 2013. As 12 etnias que residem no local são: Apurinã, Baré, Dessana, Kaixana, Kokama, Miranha, Munduruku, Mura, Sateré-Mawé, Tariano, TiKuna, Tukano.

 

SUMAK KAWSAY

Sumak Kawsay é uma expressão originária da língua Quíchua, idioma tradicional dos Andes, que significa plenitude e viver. É usada como referência ao modelo de desenvolvimento que garante a realização do bem viver em uma sociedade.

 

Fonte: SARES – Serviço Amazônico de Ação, Reflexão e Educação Socioambiental (Manaus/AM)