Trezena de Santo Antônio reúne milhares de fiéis

Mais de 4 mil pessoas participaram dos treze dias de reza

Bandeira santo antonio-2

Trezena é a reza que se repete, normalmente, durante os treze dias anteriores à festa de um santo. Na igreja de Santo Antônio da Barra, localizada em Salvador (BA), a preparação à festa do santo, que dá nome a igreja, segue essa mesma tradição. Em 2016, entre os dias 1º e 13 de junho, mais de 4 mil pessoas participaram das celebrações. “Nesse ano, nossa trezena trouxe uma novidade: ela acompanhou as mesmas orações que se fizeram na Basílica de Santo Antônio de Pádua, na Itália”, conta padre Rogério de Paula Barroso, reitor da Igreja Santo Antônio da Barra.

O tema ‘Com Santo Antônio, vamos ao encontro da misericórdia de Deus’, proposto pelos freis franciscanos, da basílica italiana, uniu a devoção a Santo Antônio à celebração do Jubileu da Misericórdia, promulgado pelo papa Francisco. A temática teve ainda como fundo as preocupações do pontífice apresentadas na Encíclica Laudato Si’ – sobre o cuidado da casa comum. “Durante treze dias, a exemplo de santo Antônio, e por sua intercessão, corremos ao encontro da misericórdia de Deus para que, na graça do Espírito Santo, sejamos capazes de transformar a falta, a carestia – nossa e do outro – em abundância, em Eucaristia! Esse é o caminho para nós preparado por nosso Senhor Jesus Cristo, o Rosto Misericordioso do Pai”, afirma padre Rogério.

“Durante treze dias, a exemplo de santo Antônio, e por sua intercessão, corremos ao encontro da misericórdia de Deus […]”

Padre Rogério de Paula Barroso, reitor da Igreja Santo Antônio da Barra

A celebração eucarística, que abriu a trezena, foi presidida por dom Marco Eugênio Galrão, bispo auxiliar da Arquidiocese de Salvador. A cerimônia contou com a participação da Polícia Militar da Bahia, que trouxe banda, coral e o grupo de teatro Patrulha do Bem, e dos representantes do Comando Geral da corporação. Segundo padre Rogério, um dos momentos mais bonitos do primeiro dia foi o hasteamento da bandeira de Santo Antônio. “Esse é um costume típico das festas do interior, mas que já havia sido esquecido nas grandes cidades”, diz o jesuíta

No dia 12 de junho, o Exército Brasileiro, representado pelo general de Divisão, Artur Costa Moura, restituiu a Santo Antônio a faixa com a qual, na igreja da Barra, ele é tradicionalmente venerado como santo militar. A cerimônia militar foi precedida por uma procissão, animada pela Banda de Música do Exército, que saiu do Forte de São Diogo, rumo à igreja. O arcebispo da Arquidiocese de Salvador, dom Murilo Krieger, que presidiu a celebração eucarística, recebeu a homenagem em nome da Igreja.

Em 13 de junho, dia de Santo Antônio, os devotos puderam venerar a imagem do Santo, já ostentando sua nova faixa. “A imagem deixou o seu nicho no altar principal e ficou exposta no presbitério bem próxima dos fiéis, ladeada por sentinelas do Exército. Talvez esse tenha sido o momento mais emocionante da festa. Não se sabe se a imagem chegou alguma vez a abandonar o seu nicho para permanecer exposta à veneração pública”, ressalta padre Rogério. “O fato da imagem ter 1,64m de altura, bem como a intensidade de sua expressão, contribuíram para reafirmar a relação afetiva e viva que os devotos têm para com seu santo protetor”, conclui o jesuíta.