FEI e Universidade do Reino Unido firmam parceria

Instituições estão promovendo curso sobre Biomimética

07.04.2016-fei-parceria

O Centro Universitário FEI e a Coventry University, do Reino Unido, firmaram uma parceria inédita no Brasil. As duas instituições estão promovendo um curso de extensão universitária sobre Biomimética, conceito novo no país.

A Biomimética é uma área da ciência que se inspira na natureza para desenvolver funcionalidades úteis aos humanos, tendo como objetivo a solução de problemas da atualidade de forma sustentável.

O professor de Ciência da Computação da FEI e idealizador do projeto, Rodrigo Filev, explica que “a ideia é que, ao invés de pensarmos em soluções de um problema apenas com as técnicas tradicionais, possamos observar os milhões de anos da evolução da natureza e, assim, perceber o que ela faz e como faz para tratar o problema estudado; e com isso propor soluções inspiradas em mecanismos naturais. Afinal, a natureza possui excelentes soluções para geração de energia, reciclagem e tratamento de resíduos (poluição), dentre outros, que são problemas que nos afligem”.

“a ideia é que, ao invés de pensarmos em soluções de um problema apenas com as técnicas tradicionais, possamos observar os milhões de anos da evolução da natureza e, assim, perceber o que ela faz e como faz para tratar o problema estudado”

Rodrigo Filev, professor de Ciência da Computação da FEI

A colaboração entre os estudantes britânicos e brasileiros, que acontece por meio de videoconferência e ferramentas colaborativas, tem um objetivo maior: elaborar, em apenas dois meses de aulas (o curso termina no final de abril), uma solução inovadora para desafios e problemas relacionados à produção mundial de alimentos e seu uso, que será apresentado para a fundação Global World Challenge. Por isso, estão sendo desenvolvidos, ao todo, quatorze projetos, divididos igualmente entre as duas instituições.

“Há alunos pesquisando a melhor utilização de recursos hídricos para produção de alimentos, outros estão trabalhando a questão dos biodigestores e a conservação de alimentos durante o transporte destes para minimizar o desperdício, além de já termos estudos nas áreas de polinização e do controle de pragas”, explica Filev.

Ainda de acordo com Filev, coordenador do curso no Brasil, o principal objetivo é difundir o conceito de Biomimética de forma que se possa incorporá-lo aos projetos que a instituição já desenvolve. “Podemos considerar a aplicação da técnica quando precisarmos de uma solução em que se leve em conta esse tipo de conceito para produzir um sistema que tenha menor uso de energia, menor impacto ambiental e social, e que tenha uma maximização dos resultados”, acrescenta o professor. O Centro Universitário FEI já pensa, inclusive, em fomentar outras parcerias com a Coventry University, devido ao sucesso da procura pelo curso de Biomimética.

Biomimética aplicada

Um dos exemplos mais clássicos de Biomimética aplicada é o velcro, criado pelo engenheiro suíço George de Mestral. Ele estudou como os carrapichos ficavam grudados no pelo do seu cachorro e, ao visualizar a semente da planta daninha pelo microscópio, observou que ela era dotada de filamentos entrelaçados e com pequenos ganchos nas pontas, o que o ajudou a desenvolver um processo que funcionava do mesmo modo, ou seja, o velcro como o conhecemos hoje.

 

Fonte| www.blogdafei.com.br / Foto: www.turismoemlondres.com