Campanha Inacianos pelo Haiti entra na 2ª fase

Iniciativa promove um intenso trabalho com as escolas do país

“Para ensinar é preciso ter muito amor, muita paciência. O professor é um exemplo para as crianças”, afirma Duverne Rossete, professora e diretora da Escola Comunitária Saint-Michel, que integra a rede de escolas da Fundação Fé e Alegria, no Haiti. O depoimento de Duverne está disponível em um dos vídeos que apresentam a importância da educação e da Campanha Inacianos pelo Haiti para o país. Em 2015, a iniciativa entrou em sua segunda fase, que perdurará até o final do ano que vem.

Criada pela FLACSI (Federação Latino-americana de Colégios da Companhia de Jesus), em 2011, a Campanha Inacianos pelo Haiti promove um intenso trabalho com as escolas haitianas. “Essa iniciativa permitiu que 14 escolas tivessem condições mínimas de infraestrutura para poder funcionar. Após analisar a situação do país, ficou decidido que a melhor forma de ajudar a população era através da educação”, afirma Jimena Castro, coordenadora da Campanha Inacianos pelo Haiti.

No dia 12 de janeiro de 2010, um terremoto de grande magnitude atingiu o país. Cerca de 300 mil pessoas morreram e milhares ficaram desabrigadas. Após cinco anos, os haitianos ainda estão reconstruindo o país. Nesse contexto, a Companhia de Jesus, por meio da Fundação Fé e Alegria, tem um papel importante junto às famílias. “Hoje, Fé e Alegria Haiti e suas escolas beneficiam mais de 3.500 crianças”, explica Jimena.

Os colégios da Rede Jesuíta de Educação participam da iniciativa ativamente. Atualmente, a Campanha Inacianos pelo Haiti é promovida por 69 colégios, que integram a FLACSI, e mais as escolas da JSN (Jesuit Schools Network), que reúne as instituições jesuítas dos Estados Unidos e do Canadá.  No Brasil, todos os colégios apoiam a campanha. “Todos têm integrado Inacianos pelo Haiti no calendário escolar, por exemplo, em gincanas e bazares, que servem como espaço de mobilização para a iniciativa”, conta a coordenadora. Segundo Jimena, os estudantes e as famílias também atuam como organizadores das atividades. “Eles se envolvem em várias ações e convidam a comunidade educativa a se comprometer”, afirma.

Desde o início, a Campanha Inacianos pelo Haiti já conquistou muitos colaboradores. “A iniciativa está presente também no coração das pessoas, que não enviam só dinheiro, mas também mensagens de apoio”, ressalta a coordenadora. A mobilização dos colégios da Rede Jesuíta de Educação em prol do Haiti é muita significativa para a população. “Hoje, eles sabem que no continente pertencem a uma rede inaciana que está atenta a eles. Isso dá coragem e força para que continuem transformando sua própria realidade. Eles sabem que não estão sozinhos”, conclui Jimena.

Vamos participar!

“Um dia, eu ouvi um questionamento interessante: por que neste mundo globalizado, onde a economia se globaliza, a tecnologia se globaliza, não globalizamos a solidariedade também?”, questiona Jimena Castro.  É com esse pensamento que a Campanha Inacianos pelo Haiti vem sendo trabalhada nos meios de comunicação. “Utilizamos vários veículos para comunicar e difundir tudo o que acontece na campanha”, explica.

No site ignacianosporhaiti.org é possível fazer o download de todo o material da campanha  (banners, pôsteres, imagens, etc.), assim como acompanhar as notícias relacionadas às atividades da iniciativa. Na Fanpage www.facebook.com/ignacianosporhaiti.org, que tem cerca de 4 mil seguidores, são compartilhadas as ações e notícias do Haiti. Os colégios também publicam nas redes sociais utilizando a hashtag #inacianospelohaiti.

No canal do YouTube (Ignacianos por Haití) estão os vídeos com as histórias dos professores, além de outros materiais. A conta da campanha no Twitter @ignacianoxhaiti já alcançou mais de mil seguidores. “Hoje, graças aos sistemas de informação, podemos conhecer realidades que estão geograficamente longe de nós, como é o caso do Haiti. Poder ajudar essas pessoas é uma oportunidade para agradecer o que se tem e fazer justiça dentro das possibilidades de cada um. A solidariedade nos leva a refletir sobre a nossa própria realidade e condições”, diz Jimena.

Além dos colégios, qualquer pessoa pode ajudar na Campanha Inacianos pelo Haiti. Através do site oficial, é possível realizar doações individuais. Jimena conta que instituições e pessoas de diversos países aderiram à iniciativa. “Há organizações leigas, como América Solidária − ONG internacional − que dá apoio através de um modelo de cooperação de profissionais no Haiti, e o Hogar de Cristo do Chile, que assessorou o projeto no fortalecimento institucional de Fé e Alegria Haiti. Qualquer pessoa pode ajuda, todos são bem-vindos!”, finaliza.