Obra do Pe. Vieira é uma das novidades das Edições Loyola

Editora adquiriu os direitos da 1ª edição das Obras Completas do jesuíta

A Edições Loyola apresenta várias novidades editorias no mês de setembro. A edição Obras Completas – tomo III – Volumes V e VI – A Chave dos Profetas, do padre Antônio Vieira é um dos destaques. A instituição adquiriu os direitos para o Brasil da 1ª edição da obra, que o próprio autor considerava definitiva, e na qual trabalhou, literalmente, até suas últimas forças, já de pernas fraturadas e quase cego. A Chave dos Profetas deixada inacabada, só agora conhece publicação. Conheça essa e outras novidades abaixo:

 

Obras Completas – tomo III – Volumes V e VI – A Chave dos Profetas

Autor: Pe. Antônio Vieira, SJ

Esta edição entra na história da literatura de língua portuguesa, e, assim, se explica porque os editores brasileiros preferiram começar por esta obra de crítica política e esperança universal. O volume V, com o Livro Primeiro da Chave, tem Prefácio de João Adolfo Hansen e Introdução de Pedro Calafate. A obra é uma poderosa reflexão teológica.

 

Um dos pontos que mais chamam a atenção do leitor atual é a defesa que Vieira faz da graça da salvação também para “os bárbaros”, que nunca ouviram falar de Cristo. As conotações de críticas à política – ainda válidas, infelizmente – e as visões utópicas – ainda muito provocantes, tornam a leitura de A Chave algo surpreendente e capaz de provocar debates nos meios intelectuais.

 

Informações | Direção: José Eduardo Franco e Pedro Calafate, Loyola / SP 2014, 24×15, vol. v: 397 pp.; vol. VI 484 pp.

 

Eu vim para servir – comunidade, Igreja e sociedade

Autor: Evaristo Eduardo de Miranda

 

A Igreja Católica fez uma opção preferencial pelos pobres e eles pelas Igrejas evangélicas. Por quê? A cada ano, parte da população abandona a Igreja, em dez anos houve uma redução de 1,7 milhão de fiéis em dez anos. O número de católicos caiu em termos absolutos no Brasil. Há tema mais relevante na relação Igreja e sociedade do que o declínio da adesão à fé católica? Ele seria resultado do Concílio Vaticano II? Este livro trata essa temática de forma original ao apresentar 7 dimensões eclesiais e analisar 14 processos sociais desafiadores no Brasil.

A visão eclesial da sociedade cristaliza-se na Doutrina Social da Igreja. Ao apresentar essa visão sobre pessoa, família e sociedade, o autor indica como transformar a Babel da globalização em Pentecostes. Os princípios do bem comum, da subsidiariedade e da fraternidade apoiam sua reflexão sobre uma sociedade justa e pacífica.

Informações | 23×16, 112 pp.

 

Iniciação à vida espiritual

Autor: Dom André Louf

 

O Autor é antigo abade trapista. Depois de exercer este serviço por 34 anos, retirou-se para levar vida de eremita, até que sua saúde enfraquecida o obrigou a voltar à Trapa, onde faleceu em 2010. Em resumo, ele apresenta a vida espiritual em etapas e progredindo por etapas, de um modo singelo, profundo e atrativo. Pequeno livro indicado para pessoas que levam a sério a vida de oração, formadores e orientadores espirituais.

Informações | Loyola / SP 2014, 17×12, 71 pp.

 

Papa Francisco esteve conosco e deixa saudades

Autor: Pe. Roque Scheneider, SJ

 

O autor é jesuíta, escritor e sempre trabalhou ativamente pelo Apostolado da Oração. É colunista do Mensageiro do Coração de Jesus e apresentador, há muitos anos, de um programa diário na Rede Vida. Com seu estilo ágil, capaz de expressar muito em poucas palavras, sempre com um toque afetivo, ele nos ajuda a reviver a magnífica experiência da Jornada Mundial da Juventude do Rio de Janeiro.

Informações | Loyola / SP 2014, 21×14, 77 pp.

 

Como falar de Maria?

Autor: Kater Filho

 

O autor é leigo, pai de cinco filhos, formado em administração e teologia, e escritor de mais de dez obras. Este livro tem o intuito de orientar os católicos – que ainda não tenham um conhecimento mais aprofundado dos textos bíblicos e de sua interpretação – sobre as razões de nossa igreja incentivar legitimamente esta antiquíssima devoção a Nossa Senhora: mãe de Jesus e nossa mãe, de acordo com a Fé católica.

Informações | Loyola / SP 2014, 21×14, 68 pp.

 

Comunidade Ética – sobre os princípios ontológicos da vida social em Henrique Cláudio de Lima Vaz

Autora: Maria Celeste de Sousa

 

A autora é docente na Faculdade Católica de Fortaleza. Neste volume, ela estuda o pensamento do mestre brasileiro Henrique Cláudio de Lima Vaz, percorrendo o itinerário da tradição aos nossos tempos, procurando uma superação de uma vida social destituída de valores, reduzida a uma cadeia de eventos econômicos. A obra se divide, além da Introdução e da Conclusão, “Comunidade ética”, em três grandes capítulos: “A expressão ontológica da comunidade”; “A expressão reflexiva da comunidade”; “A expressão ética da comunidade”. Traz ricas referências bibliográficas e bibliografia complementar para que o leito possa ampliam seu aparato científico já robusto nas notas de rodapé. Trabalho para professores e intelectuais, que poderá também ajudar estudantes de filosofia.

Informações | Loyola / SP 2014, Coleção “Estudos Vazianos”, 21×14, 213 pp.

 

Pensar a educação a partir de Michel Foucault – do humanismo ao cuidado de si

Autor: Waldênia Leão de Carvalho

 

A autora é pesquisadora e leciona na pós-graduação da Unicap (Universidade Católica de Pernambuco). Foucault e Paulo Freire se iluminam reciprocamente, tendo o denominador comum do humanismo, fundamental em ambos. O importante é verificar como se desloca a ideia – ainda muito persistente – de que o educador detém o saber, e o educando só precisa aprender. Obra muito útil para pensar a educação brasileira nestes tempos de continuada crise.

Informações | Loyola / SP 2014, 21×14, 276 pp.

 

Empatia, Edmund Husserl e Edith Stein – apresentações didáticas

Autor: Juvenal Saviam Filho (Org.)

 

O Organizador e coautor é docente na Universidade Federal de São Paulo. Entre outras atividades, coordena um grupo dedicado ao estudo do pensamento de Edith Stein. O que poderíamos definir como “empatia”, “experiência da experiência alheia”? As apresentações didáticas desta ágil pequena obra, onde, além do Organizador, o estudante terá a ajuda de Ângela Ales Bello, da Lateranense de Roma, e Cristiano Roque Antunes Barreira, docente da USP, que pode introduzir o leitor numa área pouco discutida, mas muito importante até mesmo no dia a dia de todos nós.

Informações | Loyola / SP 2014, Coleção “Leituras Filosóficas”, 19×12, 93 pp.

 

O cristianismo na Antiguidade

Autor: Danilo Mondoni

Surgida do seio de uma cultura patriarcal e monoteísta, em que era vista como mais uma seita judaica, a comunidade dos discípulos de Jesus Cristo expandiu-se por um império pluricultural e politeísta, estabelecendo comunidades estruturadas em torno do bispo e reagrupadas em patriarcados, fundando mosteiros, forjando liturgias variadas, elaborando tradições teológicas, produzindo e difundindo ampla literatura dogmática, exegética, histórica e espiritual. Embora inicialmente não reconhecida como religião legítima, transformou-se em religião oficial do Império Romano e lançou as bases de uma civilização cristã – a cristandade medieval. Esta síntese alia a narração dos dados essenciais dos eventos históricos e a reflexão sobre seus principais problemas e implicações, ressaltando a importância da contribuição da visão cristã do mundo para a história da humanidade.

Informações | Loyola / SP 2014, 21×14, 193 pp.

 

Filosofia e Política em Éric Weil – um estudo sobre a ideia de cidadania na filosofia política de Éric Weil

Autor: Sérgio de Siqueira Camargo

 

Éric Weil (1904-1977) é considerado um dos filósofos mais importantes do século XX. Para ele, a filosofia, ao interpretar a realidade política, tem sempre uma palavra a dizer sobre o que são a violência, a opressão e a injustiça, mostrando, por conseguinte, que o homem é considerado sempre violento em potência. Assim, a filosofia “sabe que a política existe para o homem, não o homem para a política, sabe que sem política, sem uma boa política, a existência humana não teria sentido, não poderia ter um sentido, mas que esse sentido não poderia ser encontrado na política”. Com efeito, existe hoje acalorada discussão em torno da ideia de cidadania. Problematizar essa questão significa perguntar sobre o modelo de sociedade e comunidade política que se quer construir. No que se refere ao debate filosófico atual acerca da noção de cidadania, a filosofia de Weil aborda essa questão e suas implicações com base em um retorno à teoria aristotélica do Estado, compreendido como instituição moral e educativa, com ajuda de Kant e Hegel. Weil, ao articular os dois polos irredutíveis da violência e da razão, elabora uma teoria filosófica coerente e atual na qual o cidadão é o homem considerado sempre violento em potência, porém, por meio da moral e da educação, torna-se capaz de anular essa violência.

Informações | Loyola / SP 2014, Coleção “Humanística”, 21×14, 288 pp.

 

A oração de e em São Paulo da Cruz

Autor: Pe. Mauro Odoríssio, CP

 

O autor é especializado em ciências bíblicas, tendo lecionado exegese em várias instituições. Atualmente exerce atividades pastorais, em paróquia confiada a sua Congregação, os Passionistas, sem deixar atividades como cursos, escritos, retiros. Com exatidão e interesse pessoal, ele conduz o leitor a conhecer a trajetória mística de São Paulo da Cruz, centrada no Mistério do Verbo encarnado, por nós feito “maldito” (ver Dt 21,22-23). Num tempo em que parece que o Messias crucificado não desperta corações, antes desejosos, como nos tempo de Cristo, do Messias triunfante e poderoso, segundo os critérios deste mundo, a leitura desta biografia pode ser iluminadora para o público cristão.

Informações | Loyola / SP 2014, 23×16, 199 pp.

 

Bioética sanitarista – desafios éticos da saúde coletiva

Autor: Pe. José Roque Junges, SJ

 

O autor é docente de pós-graduação da Unisinos e detém a Cátedra da Unesco da Universidade de Brasília. É sacerdote jesuíta da grande tradição intelectual da sua Ordem. É Editor associado da Revista Brasileira de Bioética. Participou do Movimento Sanitarista, que trabalhou pela adição na Constituição de 1988 do acesso universal à saúde, donde resultou o SUS. Mas quais são os desafios éticos a partir das políticas do SUS? Em 13 capítulos, a obra nos leva a refletir e a concluir sobre o estado da saúde pública no Brasil. Seria muito conveniente que os gestores da área, professores, estudantes, políticos, e até pastores, enfim, todos comprometidos com a coisa pública tivessem acesso a este lúcido debate.

Informações | Loyola / SP 2014, 23×16, 223 pp.

 

Fonte: Edições Loyola