FAJE realiza VII Colóquio Vaziano

Pensamentos sobre o Absoluto transcendente foram os temas abordados

A FAJE (Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia) realizou o VII Colóquio Vaziano: Um itinerário para o absoluto, entre os dias 22 e 23 de maio. O momento foi de debate e discussões sobre o pensamento de Henrique Cláudio de Lima Vaz. Na ocasião, a ênfase principal foi a questão da possibilidade e necessidade de afirmar o Absoluto transcendente.

O Colóquio Vaziano, organizado pelo Grupo de Estudos Vazianos da FAJE (GEVaz), apresentou algumas consequências, apontadas por Lima Vaz, da negação do absoluto. Entre elas, o niilismo, a crise da comunidade ética, a alienação da consciência, a hipertrofia da noção de justiça. No evento, também foram explicitadas as razões que levam Lima Vaz a defender a necessidade de reafirmar o absoluto como condição de possibilidade do ser finito. Para ele, a pessoa é constitutivamente um ser espiritual. Isso significa que ela apenas se realiza humanamente quando se abre ao horizonte da verdade e do bem, ou seja, ela se humaniza na medida em que, ao partir da própria situação histórico-mundana, percorre um itinerário para o Absoluto.

Henrique Cláudio de Lima Vaz (1921-2002) é considerado um dos maiores filósofos brasileiros do século XX. Atento aos acontecimentos e contradições de seu tempo histórico, ele propôs pensar autenticamente a realidade na qual viveu. Ao ser confrontado com os horrores das guerras, dos sistemas totalitários e também com o niilismo e o pensamento ateu, manteve-se fiel as suas convicções de fé e, ao mesmo tempo propôs lúcidas reflexões a respeito da civilização ocidental.

Para ele, a negação do absoluto transcendente e a afirmação da imanência, como instância última de avaliação e julgamento, conduziram, historicamente, a acontecimentos irracionais que colocaram em evidência a falta de sentido da vida humana. Sendo assim, ele defende que para reencontrar sentido humano para as obras do homem, se faz necessário reafirmar o absoluto transcendente como fundamento último de nosso ser na história.

A palestra Heidegger e a fenomenologia: ruptura ou continuidade? do Prof. Dr. João A. Mac Dowell, SJ, encerrou o evento.

Confira os temas apresentados durante o Colóquio:

Intersubjetividade da vida ética baseada na noção de Justiça

Ricardo Manoel de Oliveira Morais, Mestrando em Filosofia Política pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais).

Do corpo-próprio à pessoa humana e do sujeito à pessoa moral, segundo a Antropologia Filosófica e a Ética de Lima Vaz

Davi Mendes Caixeta, Bolsista PIBIC – Graduando em Filosofia pela FAJE.

Homo Metaphysicus: a transcendência do espírito humano como categoria antropológica fundamental em Henrique Cláudio de Lima Vaz

João Paulo de Lorena Silva, Bolsista PIBIC – Graduando em Filosofia pelo ISTA.

Reflexões sobre o Direito e a Justiça feitas por Lima Vaz em seu itinerário rumo ao Absoluto

Guilherme Goulart Caldas, Mestrando em Filosofia pela FAJE.

Absoluto: fundamento do processo histórico

Francisco Thallys Rodrigues e Fabiano Albuquerque de Lima, Membros do Grupo de Estudos Vazianos da Faculdade Católica de Fortaleza.

Orientação: Profª. Dra. Maria Celeste de Sousa (Coordenadora do Grupo de Estudos Vazianos da Faculdade Católica de Fortaleza).

Mesa redonda sobre o tema: Um itinerário para o Absoluto

Prof. Dr. Delmar Cardoso (FAJE), Prof. Dr. Marco Heleno Barreto (FAJE) e Prof. Dra. Maria Celeste de Sousa (Faculdade Católica de Fortaleza).

Fonte: FAJE