Analista de Sistemas volta à sala de aula

Wanderson Pereira está no segundo ano do curso técnico de eletrônica, na ETE

Wanderson F. Pereira, 25 anos, já concluiu a faculdade de Sistemas de Informação. O jovem, natural de Campo Belo (MG), mora hoje em Santa Rita do Sapucaí (MG), e trabalha em uma empresa de circuitos eletrônicos. Apesar de ter experiência o jovem decidiu voltar a estudar e está no segundo ano do curso técnico de eletrônica, com ênfase em automação industrial, na ETE.

Segundo Wanderson, o mercado valoriza profissionais que tem uma formação técnica. “Percebo que o mercado de trabalho está melhor para quem é técnico, há mais oportunidades e muitas vezes, melhor salário. Enquanto a faculdade explora teoria, no curso técnico aprendemos a fazer, adquirimos conhecimento com muita prática e experiência, que é cobrado nas empresas”.

O estudante pretende seguir carreira na área petrolífera e optou pelo curso da ETE. “Sempre gostei de eletrônica, mas o que me aguçou essa vontade é o ramo petrolífero. Em Campo Belo, sabemos das empresas que recrutam os técnicos da ETE e conheço vários ex-alunos que estão bem colocados nesta área”, conta Wanderson.

Com aptidão por eletrônica, ele acredita que fez as escolhas no tempo certo. “Quando concluí o ensino médio, não me sentia maduro o suficiente para morar sozinho e encarar uma nova vida em outra cidade. Era mais fácil continuar em Campo Belo e fazer uma faculdade. Agora consigo me sustentar e mesmo com a correria do dia-a-dia, me dedico muito aos estudos. Não tem como ser diferente: os professores exigem bastante, e consequentemente, estudamos e aprendemos mais”, ressalta.

O coordenador do curso técnico, professor Eduardo Abranches, conta que este não é o primeiro caso de aluno graduado que decide fazer um curso técnico de eletrônica. “Já tivemos outras histórias de alunos com curso superior que resolveram estudar na ETE. Nestes casos, eles argumentam que o mercado exige a prática que nossa escola oferece. É uma especialização de dois anos – para o curso noturno –  que deixa o aluno apto para atuar em um mercado de trabalho que exige qualificação e vem crescendo cada vez mais”.

Na reta final do curso noturno, Wanderson está satisfeito com os resultados. “A escola é o que eu realmente buscava, com excelentes professores e laboratórios que conciliam eletrônica e tecnologia. A oportunidade está aqui para quem souber aproveitar. Além dos conhecimentos, a ETE agrega valor ao ser humano”, finaliza.

 

Fonte: ETE