Projetos da ETE participam da Febrace 2014

Feira Brasileira de Ciências e Engenharia realizada na USP reuniu mais de 330 trabalhos

Ingrid Barbosa, Alessandra Domiciano e Jaíne Amaral, elaboraram o projeto Robô Interativo para Crianças Hospitalizadas

A ETE apresentou três projetos inovadores na área da saúde, durante a 12ª edição da Febrace (Feira Brasileira de Ciências e Engenharia), realizada na USP, em São Paulo, entre os dias 18 e 20 de março. Essa é a 11ª vez que a instituição participa do evento, que é conhecida como a maior feira de ciência e engenharia da América Latina, voltada a estudantes pré-universitários.

Os projetos DruggistDispenser −  aplicativo que controla a liberação de medicamentos em hospitais; Avaliador Postural − equipamento que monitora a postura do paciente durante sessões de fisioterapia, e Robô Interativo para Crianças Hospitalizadas −  que interage com crianças por meio de jogos educativos, foram selecionados para participar da Febrace em 2013, durante a ProjETE (Feira de Projetos Futuristas).

Segundo Alexandre Barbosa, diretor geral da instituição, a Febrace é um incentivo para futuros empreendedores. “Participar de uma feira nacional e com a importância da Febrace dá excelente visibilidade aos alunos, pois os projetos concorrem com as melhores escolas do país. A participação é essencial para que eles tenham um parâmetro do trabalho que realizamos e se sintam estimulados em suas invenções”, explica.

Em 2013, a ETE conquistou sete prêmios na Febrace com os projetos da Cadeira Ortostática Dinâmica – C.O.D. e o coração artificial Heart Solution, que empataram em 2º lugar na categoria Engenharia (geral) e receberam prêmio da Yale Science Engineering Associação Inc., dos Estados Unidos. A cadeira também recebeu menção honrosa da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo. O resultado dos projetos premiados em 2014 serão divulgados no site da Feira www.febrace.org.br.

Conheça um pouco mais sobre os projetos:

 

Druggist Dispenser

Premiado pela empresa Clear durante a última edição da ProjETE, o Druggist Dispenser utiliza uma série de recursos para controlar o acesso aos medicamentos em hospitais. Quando o médico gera uma prescrição, suas informações são gravadas na pulseira do paciente através de um código de barras. Ao se dirigir à farmácia do hospital, um leitor óptico fará com que apenas os remédios corretos e na dosagem requerida sejam liberados. Além de informações sobre dosagem, o equipamento transmite informações sobre dietas e dados dos medicamentos, que poderão ser acessados através do uso de um aplicativo para celular.

Segundo os integrantes do grupo, alguns hospitais já demonstraram interesse em implantar o sistema e uma série de adaptações devem ser feitas para colocá-lo em condições de ser comercializado. O orientador do projeto, professor André Godoy, tem colaborado no desenvolvimento do aplicativo. O grupo é formado por Guilherme Almeida, Lavínia Pinto, Elen Salustiana e pelas colaboradoras Giovana Floriano e Francine Fonseca.

 

Robô Interativo para Crianças Hospitalizadas

Primeiro colocado na ProjETE 2013 e vencedor do prêmio de Melhor Documentação da feira, o Robô Interativo foi criado para integrar robótica e biomedicina, no tratamento de crianças hospitalizadas. Dotado de jogos interativos que abrangem português, matemática e noções de meio-ambiente, o robô estimula crianças, que estão há muito tempo internadas e longe da sala de aula, a se divertirem com conteúdos didáticos. Atualmente, o grupo tem cuidado do aperfeiçoamento do projeto que deverá oferecer novas funcionalidades. O grupo é formado por Alessandra Domiciano, Ingrid Alves, Jaíne Amaral e pelo colaborador Pedro Moreira.

 

Avaliador Postural

Segundo colocado na ProjETE, o Avaliador Postural é um sistema sem similares no mercado brasileiro, que permite ao médico fazer uma avaliação prévia e preventiva da postura do paciente, através de uma fotografia. “Nos Estados Unidos existe um equipamento parecido, mas com altíssimo custo”, conta um dos integrantes da equipe, Pedro Paulo Lima.

A intenção do grupo é produzir o equipamento em breve. O protótipo tem funcionado perfeitamente e deverá ser complementado com um aplicativo para celular, sob orientação do professor Álvaro Figueiredo. O grupo é formado pelos estudantes Adriene Magalhães, Luis Guilherme Sousa, Pedro Paulo Lima e pela colaboradora Ana Beatriz Fontana.

 

Fonte: ETE

Foto: Reinaldo Canato/UOL