Unisinos recebe visita de comitiva internacional

Profissionais visitaram as empresas do Tecnosinos e dos institutos tecnológicos da universidade

 Visitantes conheceram a empresa Altus S/A

A Unisinos recebeu uma comitiva de profissionais nacionais e internacionais ligados à tecnologia e à inovação, no campus São Leopoldo, no dia 21 de janeiro. O objetivo da visita era promover as empresas do Tecnosinos e os institutos tecnológicos da Unisinos.

A cônsul de assuntos comerciais da Innovartion Norway Brazil, Helle Moen, foi um dos participantes do tour. A norueguesa, que trabalha há cerca de um ano e meio no Brasil, promove a interação comercial entre os dois países. “Estou muito impressionada com a Unisinos, por seu parque tecnológico e, especialmente, por sua boa relação entre a indústria e a universidade”, salientou.

Em primeiro plano, simulador de voo, tecnologia de uma das empresas incubadas na Unitec

Segundo o diretor de Negócios e Relações Internacionais da Unisinos, Cristiano Richter, além do interesse dos visitantes no Tecnosinos, os institutos tecnológicos também se destacaram durante o tour. Entre eles está o ITT Fuse – ligado à segurança funcional – e o ITT Fossil – que trabalha com Micropaleontologia. A Altus Sistemas de Informática S/A – dedicada à automação e controle de processos industriais – e a HT Micron – que tem como foco fornecer soluções locais para a indústria eletroeletrônica brasileira – também chamaram a atenção dos visitantes.

Richter acredita que, cada vez mais, a Unisinos tem sido referência na área de serviços tecnológicos, pesquisa aplicada e treinamento de recursos humanos qualificado. Segundo ele, todo esse ambiente propicia a inovação nas empresas. “A Unisinos fica muito contente em receber essa comitiva, pela promoção não só da interação da universidade com as empresas já aqui estabelecidas, mas também pela futura promoção de novos negócios para a região”, destaca o diretor.

A diretora do Tecnosinos, Susana Kakuta, observa que o parque é, atualmente, a plataforma de produção de tecnologia mais internacionalizada da América Latina. Hoje, habitam no complexo, empresas com origem em vinte países. Ela destaca, ainda, que a Noruega é reconhecida mundialmente quando se trata de tecnologia para petróleo e para o setor naval. “São áreas que nos interessam, pois temos várias empresas que possuem competência para construir parcerias estratégicas para o mercado latino americano. Também nos interessa atrair empresas dessas áreas para o Tecnosinos”, afirma.

Fonte: www.juonline.com.br