Coordenador do CRDH da CAJU recebe homenagem

Honraria é dada a representantes da sociedade civil por sua atuação em prol da efetivação dos Direitos Humanos

Eduardo Mota, coordenador executivo, do Centro de Referência em Direitos Humanos Padre João Bosco Burnier (CRDH), da Casa da Juventude de Goiânia (CAJU), recebe pela segunda vez a Medalha Pedro Ludovico Teixeira. A homenagem hoje (9), às 20 horas, no Plenário Getulino Artiaga da Assembleia Legislativa de Goiás. A honraria é dada a representantes da sociedade civil por sua atuação em prol da efetivação dos Direitos Humanos. A homenagem é uma iniciativa da Comissão de Direitos Humanos, Cidadania e Legislação da instituição, que comemora em sessão especial os 65 anos da Declaração Universal de Direitos Humanos.

O presidente da comissão, Mauro Rubem, destaca que o evento será um momento oportuno para homenagear representantes de instituições públicas que ao longo deste ano se dedicaram e empenharam na defesa e promoção dos Direitos Humanos no Estado de Goiás. Para o deputado, é preciso à unificação de todos para a construção de uma sociedade saudável com o exercício plena de cidadania.

“Acreditamos que é possível contribuir para a mudança de comportamento da sociedade, promovendo o engajamento crítico e maciço dos cidadãos na promoção dos Direitos Humanos, de modo a deixar claro que a sociedade civil pode liderar um processo inovador de transformação que minimize as duras realidades sociais encontradas em Goiás”, destacou.

De acordo com Mauro, é preciso criar políticas públicas para que todos nesse país tenham acesso pleno aos direitos garantidos pela Constituição, como educação pública de qualidade, transporte, saúde e lazer, sem exploração e discriminação de gênero e racial.

“A intolerância e o preconceito atrasam o desenvolvimento do país. Infelizmente, conceitos como pluralidade e diversidade humana estão à margem das nossas relações sociais. Exatamente por isso, estamos firmes na luta por um do Estado Democrático de Direito e pela garantia dos direitos fundamentais à população do Estado. Temos que pensar no futuro da sociedade, fiscalizando as aplicações dos recursos públicos, garantindo oportunidades e cuidado da população, sobretudo a empobrecida”, assegurou.

 

Fonte: Assessoria de Comunicação da CAJU/ Ascom Alego