Fé e Alegria do Brasil realiza encontro em São Paulo

Representantes dos centros participaram da reunião que discutiu temas relacionados à administração

A Fundação Fé e Alegria do Brasil realizou, entre os dias 16 e 20 de setembro, no Anchietanum, em São Paulo, um encontro administrativo que reuniu representantes de 16 regionais da instituição, espalhadas por 15 estados do Brasil. O encontro foi realizado com o objetivo de capacitar os colaboradores que atuam na área administrativa.

Participaram do encontro assistentes, analistas e auxiliares administrativos, além dos profissionais que atuam na Sede Nacional de Fé e Alegria. Os processos contábeis, financeiros, a otimização do tempo e a espiritualidade, foram alguns dos temas abordados durante o encontro.

“Fé e Alegria enxerga as questões administrativas de uma forma mais ampla, então esse encontro é para garantir um avanço, não só no uso de ferramentas próprias da administração, mas para que o pessoal do administrativo também se envolva no processo de construção dos centros”, afirmou Pe. Álvaro Negromonte, diretor-presidente Nacional de Fé e Alegria.

Durante esses dias, os colaboradores assistiram a palestras, participaram de trabalhos em grupo e de dinâmicas. Segundo Paula Facci, da Coordenação Nacional de Desenvolvimento Institucional, antes do encontro foi realizada uma pesquisa com os colaboradores, para que eles pudessem apontar as pautas que seriam importantes debater durante a semana. “A semana foi pensada para que fosse interativa, voltada para a construção coletiva do conhecimento. A gente fez um diagnóstico para saber quais as temáticas que o pessoal sentia dificuldades e quais eles gostariam de tratar com mais profundidade. Então, a gente organizou a semana com base nesses conteúdos que foram apontados”, disse Paula.

O encontro de administradores de Fé e Alegria faz parte do plano estratégico nacional e um dos pontos discutidos foi a melhora da qualidade nos serviços prestados. “Fé e Alegria tem buscado garantir essa unidade nacional. Não significa dizer que todos nós fazemos do mesmo jeito porque as realidades são distintas, mas isso permite conhecer as pessoas. Primeiro eles se conhecem entre si e o nível de comunicação melhora. Eles percebem que o trabalho deles implica diretamente no trabalho de outros. A gente trabalha em rede e essa consciência garante um trabalho mais eficaz a toda a Fundação Fé e Alegria do Brasil”, concluiu Pe. Álvaro.