Padre Sefrin visita Escola Técnica de Eletrônica em MG

O jesuíta atuou como diretor de Formação Cristã da instituição entre os anos de 1989 e 1998

O atual Reitor da ETE FMC, Pe. Élcio, ao lado de Pe. Sefrin, ex-diretor de Formação Cristã da instituição.

A ETE FMC (Escola Técnica de Eletrônica Francisco Moreira da Costa) recebeu, em agosto, a visita do Padre Luiz Arnaldo Sefrin, ex-diretor de Formação Cristã da instituição. O jesuíta que ocupou o cargo entre os anos de 1989 e 1998, também atuou como professor da disciplina de Moral e Cívica, que abordava temas direcionados ao desenvolvimento integral dos jovens.

“Aos poucos, conseguimos que os alunos da ETE participassem de atividades típicas das escolas jesuítas, como a Semana Santa Jovem I e II, o ENAC (Encontro de formação de lideranças) e a Missão Rural. Passávamos uma dimensão de fé em Deus, para ajudar as pessoas no seu discernimento e na sua escolha de vida”, conta Pe. Sefrin.

Em 1992, Pe. Sefrin participou da criação da SolidariETE, juntamente com um grupo de jovens, na época liderado pelo aluno Hugo Bonnet. “Esta campanha de solidariedade que busca a arrecadação de alimentos para instituições do município, motiva os alunos a participar de ações sociais em função dos direitos dos cidadãos”.

A nova pintura na Capela da ETE foi uma dos momentos mais marcantes do jesuíta na instituição. “Em 1995, notei que não havia nenhum traço que identificasse a Companhia de Jesus na capela. Então convidei o Cláudio Pastro, um grande artista sacro brasileiro, e ele fez um trabalho muito melhor do que havíamos pensado. Ele estudou a fundo a história de Santo Inácio de Loyola e fez esse painel maravilhoso, que até hoje conta a vida de Santo Inácio. Como a presença de Nossa Senhora foi marcante na vida de Jesus e de Santo Inácio, a capela foi batizada com esse título: Maria Mãe da Companhia de Jesus”, explica Pe. Sefrin.

Natural de São Paulo, ele estudou da 6ª série do Ensino Fundamental ao 3º Ano do Ensino Médio no Colégio São Luís. “Foi onde Jesus me pescou para a Companhia de Jesus. Fiquei quatro anos fazendo meu discernimento vocacional, da 8ª série ao 3º ano do Colegial, e entrei para a Ordem com 18 anos”.

Hoje, o Pe. Luiz Arnaldo Sefrin atua em Montes Claros, norte de Minas Gerais, em uma paróquia da periferia. “A Companhia de Jesus é uma ordem missionária e eu como jesuíta estou disponível. Não escolhi trabalhar na ETE, mas adorei os anos que estive na instituição. A semente é lançada, depois frutifica; um semeia, outro cuida e outro que vai colher. Hoje vejo que, Graças a Deus, tudo que foi semeado, outras pessoas estão colhendo”, finaliza.

 

Fonte: ETE