Papa Francisco celebra missa para 9 mil membros de colégios jesuítas

Pontífice ressaltou que "na escola, o elemento principal é aprender a ser magnânimo, ter o coração grande"

foto
 
A Sala Paulo VI ficou lotada na manhã desta sexta-feira (7) com a presença de 9 mil alunos, ex-alunos e professores de colégios jesuítas da Itália e da Albânia. O encontro começou com uma série de testemunhos e apresentações de música ao vivo, e com a chegada do Papa Francisco, ao meio-dia, prosseguiu com a leitura de algumas cartas dirigidas a Francisco. Em seguida, foi a vez de o Pontífice cumprimentar os presentes, dizendo-se sentir ‘em família’ e muito feliz por este encontro coincidir com a solenidade do Sagrado Coração de Jesus. 
 
“Somos a Companhia de Jesus”, disse o Papa, lembrando as palavras de Santo Inácio aos companheiros que se questionavam a respeito de sua identidade, em 1537. Este nome, frisou, indica uma relação estreita amizade e carinho por Jesus. “Santo Inácio e seus companheiros entenderam que Jesus lhes ensinava como viver bem, como realizar uma existência significativa doando entusiasmo, alegria e esperança. Eles entenderam que Jesus é um grande mestre e modelo de vida que não apenas lhes ensinava, mas os convidava a segui-lo em seu caminho”.
 
Seguindo o ensinamento de Santo Inácio, o Papa ressaltou que na escola, o elemento principal é aprender a ser magnânimo, ter o coração grande, grandes ideais, o desejo de responder às coisas que Jesus nos pede: fazer as coisas do cotidiano com o coração grande, aberto a Deus e aos outros. Especificamente sobre as escolas jesuítas, Francisco disse que desenvolvem virtudes humanas como lealdade, respeito, fidelidade e compromisso. 
 
Antes de terminar, o Papa encorajou os professores, trabalhadores e pais: “Educar não é uma profissão, mas uma atitude, um modo de ser. Para educar é preciso sair de si mesmo e acompanhar os jovens lado a lado com eles, dando-lhes esperança e otimismo para seu caminho no mundo. Ensinem-lhes a ver a beleza e a bondade da Criação e do homem, mas principalmente, sejam testemunhas com a vida daquilo que ensinam! Sem coerência não se pode educar”. 
 
Francisco também recordou que deve haver um espírito de unidade e comunidade entre os diversos componentes da educação. “O objetivo único é formar e ajudar a crescer pessoas maduras, simples, competentes e honestas, que saibam amar com fidelidade, vivendo a vida em resposta à vocação de Deus e a profissão como um serviço à sociedade”. 
 
Fonte: News VA