Festival Paralímpico reunirá atletas para competições na Unisinos

Evento é promovido pela Fundação de Esporte e Lazer do Rio Grande do Sul e o Polo do Esporte da Unisinos

foto
 
O II Festival Paralímpico da Unisinos será realizado no Complexo Desportivo e Lazer da universidade no dia 4 de junho, às 8h30, mas já mobiliza estudantes da região que se inscreveram para as provas de corrida de 100 metros, salto em altura, arremesso de pelota, vôlei sentado, futebol para deficientes visuais, golbol, tênis de mesa, bocha e judô. Também mobiliza alunos do curso de Educação Física que se preparam para atuar como monitores no evento. 
 
A Fundação de Esporte e Lazer do Rio Grande do Sul e o Polo do Esporte da Unisinos se unem para promover o Festival Paralímpico. Além de mapear as regiões com potencial paraolímpico dos jovens com deficiência do estado, o evento vai servir para a formação da seletiva que definirá a equipe gaúcha que participará das Paralímpiadas Escolares. “A universidade sai do lugar comum e se torna um polo nessa articulação que dá vida ao desenvolvimento social”, apontou a professora Silvia Bauler, coordenadora do evento na Unisinos.
 
Para receber os atletas paralímpicos, a universidade tem feito diversas adaptações e os estudantes de Educação Física estão se preparando para atuar no evento. No dia 28/6, às 19h30, acontecerá o Curso de Formação para atuação no esporte paralímpico. “Os alunos passarão por treinamento teórico e prático, mas já nas disciplinas da graduação eles têm experiências com esportes paraolímpicos”, disse Bauler.
 
É a primeira vez que a Unisinos sedia um evento para pessoas com deficiência. Mas não é a primeira vez que os alunos de Educação Física se depararam com o diferente no seu cotidiano. Durante o curso, os alunos frequentam diversas disciplinas que tratam do tema, como Estratégias de Ensino – Inclusão e Diferença. Específica para a Educação Física, a matéria propõe aos alunos a vivência de diversos esportes adaptados. 
 
Nas primeiras aulas, os alunos experimentam o futebol para cegos, por exemplo, em que são vendados e participam de uma partida especial usando uma bola com guizo. “Ao longo da disciplina, os estudantes também vão a escolas especiais para vivenciar, na prática, o esporte com crianças com deficiência”, contou o coordenador do curso, Ednaldo Pereira Filho.
 
Fonte: Unisinos