MAGIS vai reunir cerca de 2 mil jovens

Peregrinos do encontro mundial passarão por ações missionárias pelo Brasil

Muito tem se falado sobre a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que acontece de 23 a 28 de julho, no Rio de Janeiro. Mas antes da cidade receber jovens católicos de todo o mundo, o Brasil receberá o MAGIS, evento organizado pelos jesuítas desde 1997, para pessoas entre 18 e 30 anos que tenham algum envolvimento com a espiritualidade inaciana.

Nesta edição, que começa no dia 12 de julho, em Salvador (BA), os participantes passarão por experiências missionárias em todo o Brasil. Cerca de 2 mil jovens de mais de 50 países participarão do evento. Eles serão divididos em grupos de 25 pessoas e viajarão por vários estados para realizar trabalhos sociais. Os participantes se reencontram no dia 22, no Colégio Santo Inácio do Rio de Janeiro, onde vão partilhar suas experiências antes de se inserirem na programação da JMJ.

“Não temos a intenção de concorrer com a Jornada. O MAGIS é uma semana missionária organizada pela Companhia de Jesus. É complementar”, explica o coordenador geral do encontro, Pe. Adilson Silva.

Na foto, Pe. Adilson Silva, Victor Vilas Boas e Pedro Risaffi da equipe organizadaro do evento.

Durante a passagem pelo Rio de Janeiro, o Colégio Santo Inácio será a “casa” dos inacianos. A escola está se preparando para receber as pessoas, inclusive com supervisão do Corpo de Bombeiros, que já realizou vistorias nos prédios. Em Salvador, os peregrinos ficarão hospedados no Colégio Antônio Vieira, uma das 15 escolas que formam a Rede Jesuíta de Educação. No local, será realizada uma grande missa com o Superior Geral da Companhia de Jesus, Pe. Adolfo Nicolás. Em seguida, os participantes do MAGIS serão divididos em grupos e partirão para suas experiências missionárias em vários estados brasileiros. Este modelo foi criado no último MAGIS, realizado em Madri (Espanha), quando o Brasil foi representado por uma delegação pela primeira vez. No site do MAGIS (www.magis2013.com) é possível ver o depoimento de alguns dos peregrinos que estiveram na Espanha, como Luis Duarte, que foi representando a província Centro-Leste.

“O que mais me marcou no MAGIS foi fazer a experiência de peregrinar nas terras de Inácio e de peregrinar por minha vida, caminho e opções. Como peregrino me marcou muito a presença cuidadora do Deus da Vida através do caminho, das pessoas e dos amigos que fui fazendo”, disse Duarte.

Neste ano, a participação brasileira será muito maior. Além dos inscritos, aproximadamente 300 voluntários farão parte do MAGIS, tanto em âmbito local quanto participando das missões e ajudando na organização. A maior delegação será a americana, com aproximadamente 250 peregrinos representando as dez províncias dos Estados Unidos. “As Ilhas Maurício, para a nossa surpresa, estava querendo trazer 120 jovens, mas não haveria vagas e virão apenas 50. A Polônia, próxima sede do MAGIS, será representada por 30 pessoas”, enumera Pedro Risaffi, assessor da direção do evento.

Pensando nisso, foi criada a campanha “Adote um peregrino”, o intuito é ajudar os jovens mais carentes, principalmente da África, Ásia e América Central, a participarem do evento e, depois, propagarem o aprendizado em suas comunidades. Serão aceitas doações individuais ou em grupo. Saiba mais informações sobre a campanha clicando aqui.

Ao todo, são 150 pessoas trabalhando na organização, sob a coordenação de 18 membros da chamada equipe central, distribuídas nas áreas de logística, experiência e voluntariado, comunicação, metodologia, relações internacionais e captação de recursos.

Todo este trabalho tem como objetivo formar agentes de transformação. “Só vem para cá quem já possui uma ligação com os jesuítas. Ou seja, já existe um trabalho sendo feito. Nós da organização não temos como acompanhar os desdobramentos do MAGIS por todo o mundo, mas sabemos que os coordenadores de grupo, que em 90% dos casos são jesuítas, estão preparados para propagar a experiência. O amadurecimento do peregrino é visível. Este jovem muda após passar pela experiência missionária”, afirmou padre Adilson.

Adaptado de: Revista dos Antigos Alunos do Santo Inácio ‘Sino’ — Nº 7/ Abril de 2013