Jesuíta encontra Deus através da Astronomia

Italiano descobre vocação através dos estudos

 

fotoO irmão jesuíta Guy Consolmagno (foto), um astrônomo do Observatório do Vaticano, sempre respondeu perguntas sobre o seu trabalho, como “Por que o Vaticano tem um observatório?” e “Não há coisas mais importantes para fazer do que olhar para as estrelas?”. Na verdade, ele costumava perguntar-se o mesmo tipo de perguntas.
 
Consolmagno lembra ser um pós-doutorado em Astronomia e, deitado na cama à noite, se perguntou: “Por que eu estou perdendo meu tempo me preocupando com as luas de Júpiter, quando há pessoas morrendo de fome no mundo?”. Ele não tinha resposta e finalmente largou o emprego e ciência e juntou-se ao corpo de paz.
 
“Eu disse às pessoas do Corpo da Paz: 'Eu vou a qualquer lugar que você me pedir para ir, eu vou fazer qualquer coisa que você me pedir para fazer, eu só quero ajudar as pessoas”, ele diz. “Eles me mandaram para a África, para o Quênia, onde acabei ensinando astronomia para os alunos de pós-graduação na Universidade de Nairobi”.
 
Agora, como astrônomo do Vaticano, Consolmagno explica que ele encontra Deus em seus estudos científicos. “A astronomia é como nós experimentamos o universo como criaturas que estão interessados em assuntos relevantes”, diz Consolmagno. 
 
De acordo com o jesuíta, há três crenças religiosas que você tem que aceitar na fé antes que você possa ser um cientista: que este universo existe realmente, que o universo opera por leis regulares, e que o universo é bom.
 
“A ciência é onde eu começo a passar o tempo com o Criador”, diz Consolmagno. “Quando Deus me convida a encontrá-lo nas coisas que foram feitas, como São Paulo diz em sua carta aos Romanos, Deus é a criação de um jogo que começamos a jogar juntos. É um jogo que, além de tudo, me diz que me ama. E por isso, agradeço em ser um astrônomo”.
 
Fonte: National Jesuits News