CAJU será sede do Centro de Referência em Direitos Humanos

Projeto é realizado em convênio com a Secretaria de Direitos Humanos e é o primeiro da modalidade em Goiânia

A CAJU vai ser sede do Centro de Referência em Direitos Humanos João Bosco Burnier, que foi inaugurado hoje (17). O projeto, realizado por meio de convênio com a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, é o primeiro da modalidade em Goiânia e no estado de Goiás.

O espaço será destinado ao acompanhamento de casos de violação aos direitos humanos da região metropolitana da cidade. Antes mesmo da inauguração, já é realizado o monitoramento dos casos de extermínio de moradores de rua da região.

O Centro de Referência em Direitos Humanos tem o objetivo de oferecer informações e serviços em vista da garantia integral de direitos, por meio de atendimento jurídico, social e psicológico. Além do atendimento direto, o Centro tem a proposta de formação de lideranças, capacitação de grupos, produção de conhecimento, articulação política e mediação de conflitos.

Para a implantação dos centros, a Secretaria de Direitos Humanos escolhe espaços que já contam com experiências de promoção e defesa de direitos humanos, em ações realizadas por instituições da sociedade civil, universidades e demais órgãos públicos. Com a parceria, as entidades tornam-se referência em ações de promoção e defesa de direitos humanos, influenciando na conquista e garantia dos direitos individuais e coletivos.

Ao todo, já são 30 centros estabelecidos nas cinco regiões do Brasil. Na região Centro-Oeste, dois já se encontram em funcionamento: um em Brasília e outro em Mato Grosso. O Centro de Referência em Direitos Humanos João Bosco Burnier é o primeiro no estado de Goiás, a área de atuação será na região metropolitana da capital e conta com o apoio vários grupos e movimentos que já são parceiros da CAJU.

O nome do Centro de Referência é uma homenagem ao jesuíta Pe. João Bosco Penido Burnier (1917-1976), que morreu após ter sido baleado em Ribeirão Cascalheira (MT), devido à sua atuação em prol dos direitos humanos num caso de denúncia de injustiça na prisão e tortura de duas mulheres da comunidade local. Confira as fotos da inauguração.

Adaptado de: CAJU