TEDxUnisinos Change é realizada com sucesso em Porto Alegre

TEDx Brasil será realizado em outubro deste ano

 

foto“Uma ruptura positiva ocorre somente a partir do ponto em que decidimos ir contra nós mesmos, rompendo com nosso próprio mundo.” A fala é do professor Carlos Gadea e deu início ao segundo momento do TEDxUnisinosChange nesta quarta-feira, dia 3 de abril, cuja proposta consistiu em tangenciar, com elementos regionais, a discussão apresentada durante o evento global. No palco, o convidado falou sobre o desafio de seguir crenças pessoais e de aprender algo imprevisto.
 
Pouco antes, nos Estados Unidos, Melinda Gates dava início ao TEDxChange, que foi retransmitido por todos os organizadores de eventos TEDx no mundo. O tema deste ano foi Rupturas Positivas. Em Porto Alegre, o público lotou a Sala Santander na versão do evento na Unisinos. Atentos, os participantes assistiram, na primeira parte do TEDxUnisinosChange, a retransmissão do evento realizado nos Estados Unidos. Cathleen Kaveny falou sobre como a religião pode atrapalhar positivamente questões de saúde global.
 
“Para os alguns religiosos, a AIDS é uma crise de fé. Por que as pessoas boas sofrem?”, questionou. Em seguida, Halima Hima, uma mulher que Melinda, a organizadora do TEDxChange, conheceu na Nigéria. Quando pequena, Halima aprendeu uma lição que compartilha com todas as pessoas: “illimi”, que significa uma combinação harmoniosa de humildade, conhecimento e propósito. Foi com esse espírito que Halima superou muitas barreiras, com completar os estudos. Na Nigéria, apenas quatro em cada 10 meninas concluem a escola primária.
 
De acordo com Gadea, a humanidade passa por constante processo de individualização desde o século XV, com o despontar do Renascimento. Nesse período, conceitos de simetria, centralidade, equilíbrio, harmonia e ordem geométrica – características que colocavam a figura humana em foco – começaram a se manifestar nos meios de expressão, sobretudo, nas famosas obras de arte. Com a chegada do Maneirismo, o indivíduo desafiou o todo, rompendo com o padrão vigente. Mas foi a “condição pós-sociocultural” dos anos 1960 que efetivamente aprofundou a questão do individualismo. “É o fim do paradigma da coletividade. A conexão entre as partes já mostrou ser maior do que cada uma delas isolada”, complementou Gustavo Borba no final do evento.
 
fotoEm seguida, a ativista Aline Bueno compartilhou com o público sua experiência de ruptura positiva. Publicitária, ela contou que a atuação profissional na área não foi o bastante para fazê-la feliz, e que, por isso, decidiu seguir outro caminho: o sonho de infância. Lá pelos oito ou nove anos, Aline havia cogitado a possibilidade de se tornar arquiteta, mas foi somente na idade adulta que a fantasia virou realidade. 
 
As oportunidades surgiram quando começou a nova carreira. O primeiro projeto do qual Aline participou foi o Raiz Urbana, que promoveu oficinas para criação e manutenção de hortas, mapeamento e divulgação online de estabelecimentos comerciais, feiras e produtores orgânicos e identificação de árvores frutíferas em locais públicos. “A ruptura positiva aqui se verifica na ação de consumir da plantação caseira em vez de ir ao supermercado, ou seja, em retomar uma atitude esquecida”, observou. 
 
Dois anúncios marcaram o final do evento: o primeiro é o lançamento do documentário Girl Rising, cuja pesquisa foi apresentada no TEDxUnisinos do ano passado por Justin Reeves, que acontecerá em maio. O segundo é a data do único TEDx do Brasil sobre educação. O TEDxUnisinos 2013 acontecerá no dia 31 de outubro no Centro de Eventos da Fiergs. 
 
Fonte: Unisinos