“Habemus Papam”: jesuíta argentino Jorge Mario Bergoglio é eleito novo Papa

Francisco é o primeiro pontífice da América Latina

foto

A Igreja Católica anunciou às 20h14 (16h14 de Brasília) desta quarta-feira, dia 13 de março, o novo papa, que é o jesuíta argentino Jorge Mario Bergoglio, que foi o escolhido para suceder Bento XVI. Ele é o primeiro Papa Latino Americano da história e o 266º Papa da Igreja Católica e chefe de Estado da Cidade do Vaticano. Bergoglio escolheu o nome de Francisco.

O conclave começou na terça-feira, dia 12 de março, e terminou hoje, às 19h07 (15h07 de Brasília), quando a fumaça branca tomou a praça São Pedro, após cinco escrutínios.
 
O nome do novo papa foi revelado após o famoso “Anuntio vobis gaudium, habemus Papam”, feito pelo cardeal francês Jean-Louis Tauran. O nome papal escolhido pelo cardeal Bergoglio é Francisco.
 
Em sua primeira bênção, o argentino afirmou que “parece que seus colegas cardeais foram buscar o Papa no fim do mundo”, em uma referência à sua terra natal. O novo sumo pontífice pediu aos católicos do mundo a “empreender um caminho de fraternidade, de amor” e de “evangelização”. Ele também agradeceu ao seu predecessor, o agora Papa Emérito Bento XVI.
 
Biografia
O jesuíta Jorge Mario Bergoglio, de 76 anos, nasceu em Buenos Aires (ARG) no dia 17 de dezembro de 1936), foi presidente da Conferência Episcopal da Argentina por dois períodos e foi eleito arcebispo da Arquidiocese de Santa Fe de la Vera Cruz.
 
Jorge Bergoglio é filho de um casal italiano formado por Mario Bergoglio, que era trabalhador ferroviário, e Regina, dona de casa. Ele se formou em alta Escola Industrial Hipólito Yrigoyen, com o título de técnico químico. Aos 21 anos decidiu tornar-se padre. Entrou para o noviciado de Villa Devoto na ordem jesuíta. 
 
Bergoglio foi ordenado sacerdote em 13 de dezembro de 1969. Fez uma longa trajetória dentro da Companhia de Jesus, onde se tornou Provincial da Argentina de 1973 a 1979, durante a ditadura civil-militar na Argentina. 
 
Foi ordenado bispo titular de Auca em 20 de maio de 1992, para atuar como um dos quatro bispos auxiliares de Buenos Aires. Quando a saúde de seu antecessor na Arquidiocese de Buenos Aires, Dom Antonio Quarracino começou a falhar, Bergoglio foi nomeado bispo coadjutor da mesma em 3 de junho 1997. Ele assumiu o cargo de arcebispo de Buenos Aires em 28 de fevereiro de 1998.
 
Durante a sessão de 21 de fevereiro de 2001, o Papa João Paulo II fez dele um cardeal do título de São Roberto Belarmino. Também tornou-se o primaz da Argentina, tornando-o superior da Igreja Católica no país. 
 
Sob sua posição episcopal, é também membro da Conferência Episcopal da Argentina, que foi duas vezes presidente até 2011 e do CELAM (Conselho Episcopal Latino-americano).
 
Fonte: Rádio Vaticana e Wikipédia