Jesuíta chinês tem livro de memórias publicado

Jin Luxian foi perseguido e preso durante república

 

foto
 
O jesuíta Jin Luxian (foto) é considerado por muitos como uma das figuras mais controversas da China. Educado pelos jesuítas, foi admitido na Companhia de Jesus e foi ordenado em 1945. Após a ordenação, ele continuou sua formação na Europa. Em 1951, tomou a decisão perigosa para retornar à China, onde a República havia sido proclamada. Assim, juntou-se aos milhares de católicos que sofreram perseguição.
 
Condenado por atividades contra-revolucionárias, foi preso por 27 anos, até 1982. Sua decisão de aceitar o convite do governo chinês para retornar à sua antiga posição como Reitor do Seminário de Xangai e depois como bispo da cidade, sem a aprovação do Vaticano, escandalizou muitos católicos. Mesmo agora, depois de um lapso de mais de 30 anos, detém o título de bispo e é considerado uma das personalidades mais eminentes da Igreja Católica na China.
 
Em suas memórias, Dom Jin Luxian cita suas experiências durante os anos de formação e os créditos de sua fé e de moral que tem sido possível superar os turbulentos anos do final do século XX. Em suas memórias, agora publicadas em Inglês pela Hong Kong University Press sob o título “As Memórias de Jin Luxian, Volume um: Aprender e Reaprender” Jin lembra da sua infância, sua educação, juntando-se aos jesuítas, sua formação, ordenação, seu retorno à China, sua prisão e, eventualmente, a volta para Xangai.