CEAS assina convênio com a SEMA para educação ambiental na Bacia do Cobre

Ação visa criar alternativas produticas com base na agroecologia

 

fot
 
Promover ações que visem a recuperação e conservação da área do entorno da Bacia do Cobre, em Salvador (BA), nas proximidades do bairro Colinas de Periperi III e ainda alternativas produtivas com base na agroecologia que favoreçam a segurança alimentar e nutricional das famílias residentes no local é o objetivo do projeto “Semente Urbana: Uma proposta de conservação e produção de alimentos na área do Entorno da Bacia  do Cobre”. O projeto será desenvolvido pelo CEAS (Centro de Estudos e Ação Social), da Companhia de Jesus, em parceria com a  Secretaria de Meio Ambiente do Estado da Bahia (SEMA). O convênio do projeto foi assinado na Fundação Luis Eduardo Magalhães, durante a cerimônia de celebração dos 10 anos de criação da Secretaria.
 
Para Cida Almeida (foto), coordenadora do Movimento dos Sem Teto da Bahia (MSTB), o projeto vai ajudar principalmente as mulheres. “São chefes de família que precisam desse apoio, sobretudo porque vai melhorar as condições ambientais do local e assim, prevenindo doenças e possibilitando práticas de agroecologia”, destaca Cida. “A importância em realizar o Projeto Sementes Urbanas esta na possibilidade de unir e articular ações que promovam a efetivação do direito a moradia e sentimento comunitário de pertença a um local, com as questões ambientais e de segurança alimentar”, explica Mauricio, assessor do CEAS.
 
A Bacia do Cobre está situada no subúrbio ferroviário de Salvador. Mesmo com sua borda já ocupada e que exerce pressão sob a Área de Proteção Ambiental (APA), ainda é hoje o maior fragmento de mata atlântica nativa do Brasil, com enorme potencial hídrico, importante reserva de água potável, biodiversidade, além de ser uma área de relevância cultural para capital baiana.