Livro conta história de jesuíta missionário

Fernando Paez encontrou a fonte do Rio Nilo em 1618

 

foto
Richard Francis Burton e, especialmente, John Hanning Speke, entraram para a história como os descobridores, em 1858, das fontes do Rio Nilo, que estava no Lago Victoria. Na verdade, a descoberta veio dois séculos atrás, quando um jesuíta descobriu onde um dos maiores rios do mundo nascia.
 
Marco Tosatti, jornalista italiano, fala sobre isso no lançamento do livro de um escritor espanhol Fernando Paz, intitulado “Antes que alguém”. Em seu livro, Paz dedica um capítulo para o jesuíta Fernando Paez (foto), que previu a dois séculos, a descoberta de um dos grandes mitos da história. Burton e Speke descobriram, de fato, as origens do Nilo Branco, no Lago Victoria. Mas o que conta em um rio é o fluxo de água principal. Neste caso, o fluxo do Nilo que contribui para 80% da taxa e, ao mesmo tempo que preserva a água do Nilo Branco para Omdurman. Este é o fluxo que Paez encontrou.
 
fotoFernando Paez nasceu em 1654 na Olmeda Cebola, Espanha. Mais tarde estudou em Coimbra, foi ordenado sacerdote em Goa, e começou uma jornada que o levaria para a costa da Somália. Uma incrível odisséia, com todos os tipos de aventuras acompanharam o resto de sua vida: doenças como a malária, o encontro com os piratas, capturado pelos turcos, prisão, tortura e, eventualmente, foi vendido como escravo para um sultão do Iêmen.
 
Com o objetivo de evangelizar o país, em 1603, ele se mudou para a Etiópia e adotou o nome de Abdullah. Ele permaneceu na Abissínia 20 anos e enquanto acompanhava o rei em um passeio a cavalo, descobriu a fonte do Nilo em 21 de abril de 1618.